Soja Baixo Carbono: entenda o que é o programa

4 de junho de 2021 4 mins. de leitura
Projeto da Embrapa visa tornar a produção de soja mais sustentável e econômica

Conheça o mais relevante evento sobre agronegócio do País

Em abril deste ano, a Embrapa Soja, uma divisão da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), apresentou o Programa Soja Baixo Carbono (SBC) em uma live direcionada a produtores. A iniciativa pretende valorizar práticas agrícolas sustentáveis por meio de pesquisa e criação de parâmetros de produção. O posicionamento em defesa da produção com foco na baixa emissão de carbono no Brasil já acontece há anos por parte da empresa. 

O País apresenta diferentes sistemas agrícolas em toda a sua extensão, portanto, para tornar esse novo modelo uma realidade, a entidade está reunindo informações já publicadas em artigos científicos com o intuito de estabelecer os critérios que serão aplicados pelos agricultores.

“Pela diversidade de situações em que nós plantamos soja no Brasil, talvez a melhor ideia é ter uma soja de baixo carbono. Em algumas situações, talvez consigamos atingir uma soja carbono neutro”, afirmou o chefe-geral da unidade, Alexandre Nepomuceno, em uma live promovida pela Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em novembro de 2020.

Além da otimização de custos para os produtores, devido à redução de compra de créditos de carbono, o projeto vai contribuir para o reconhecimento do Brasil como um país mais sustentável na plantação do grão.

Leia também:

Cotações da soja e do milho superam máximas históricas
A produção de soja no Brasil está acabando com a Amazônia?
Soja deve passar pelo maior atraso da colheita em 10 anos

Tecnologia em favor da sustentabilidade 

Novas práticas poderão ser implementadas a partir de dados de estudos científicos. (Fonte: Pixabay)
Novas práticas poderão ser implementadas a partir de dados de estudos científicos. (Fonte: Pixabay)

Segundo Nepomuceno, a técnica do plantio direto — com eliminação de preparo do solo e utilização de plantas de cobertura no outono-inverno — retém o carbono no solo e reduz a entrada de máquinas. 

Já as outras práticas, como a fixação biológica de nitrogênio, manejo integrado de pragas (MIP), doenças (MID) e plantas daninhas (MIPD) e a integração lavoura-pecuária-floresta podem ser avaliadas de acordo com a capacidade e intensidade na redução de emissão de gases do efeito estufa (GEEs).

Com base em pesquisas científicas nesse campo e comprovação de práticas viáveis a partir de estudos, busca-se definir uma metodologia de produção brasileira com critérios mensuráveis, reportáveis e verificáveis. 

A ideia é que essa regulamentação seja validada por protocolos internacionais em até dois anos. Ela também deve ser acessível para que os próprios produtores possam verificar se o plantio está de acordo com as normas estabelecidas.

Iniciativas anteriores

Organizações responsáveis já promovem iniciativas para a redução de carbono no Brasil. (Fonte: Pixabay)
Organizações responsáveis já promovem iniciativas para a redução de carbono no Brasil. (Fonte: Pixabay)

Ainda em julho de 2020, uma parceria entre a Embrapa e a farmacêutica alemã Bayer deu início a um projeto de incentivo à redução do carbono com retorno financeiro aos produtores rurais. O programa foi nomeado de Avaliação-piloto do balanço de carbono na produção de milho e soja no Centro-Sul do Brasil, para o desenvolvimento sustentável (2020/2021)

Desde então, três centros de pesquisa da Embrapa no estado de São Paulo – Embrapa Informática Agropecuária (Campinas-SP), Embrapa Instrumentação (São Carlos-SP) e Embrapa Meio Ambiente (Jaguariúna-SP) – já estão conduzindo estudos para embasar mudanças práticas no setor, a favor de melhorias econômicas e sustentáveis.

Não perca nem um fato que acontece no agronegócio. Inscreva-se em nossa newsletter.

Fonte: Embrapa, Live canal CNA | Youtube.

Este conteúdo foi útil para você?

148890cookie-checkSoja Baixo Carbono: entenda o que é o programa

Canal Agro