Como o agronegócio pode se adaptar às mudanças climáticas?

28 de dezembro de 2021 5 mins. de leitura
Com aumento de temperaturas e períodos de seca, agricultores devem estar atentos para manter a produtividade das safras em alta

Conheça o mais relevante evento sobre agronegócio do País

Após a 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP-26), que foi finalizada em 12 de novembro de 2021, os termos “sustentabilidade” e “resiliência” entraram na pauta de diversos setores da sociedade, entre eles o agronegócio. 

Diante de um cenário em que as mudanças climáticas têm provocado eventos extremos em todo o mundo, como o aumento das temperaturas e as grandes temporadas de seca no campo, produtores rurais precisam aprender a evitar os prejuízos e encontrar saídas para desenvolver seus negócios.

Estratégias do agronegócio para o futuro

Técnicas de reciclagem oferecem saída sustentável para o campo. (Fonte: Shutterstock)
Técnicas de reciclagem oferecem saída sustentável para o campo. (Fonte: Shutterstock)

De certa forma, o Brasil já tem se preparado para os efeitos das mudanças climáticas no agronegócio — ao menos no campo da ciência. A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), em parceria com universidades e outras instituições, tem desenvolvido há mais de uma década projetos de pesquisa voltados ao tema.

Esse processo tem sido levado em consideração para a criação de políticas públicas e boas práticas adotadas no campo e que possam tornar o País uma referência mundial em desenvolvimento de tecnologias para a mitigar a emissão dos gases de efeito estufa (GEE). Esse é um desafio ainda maior para o agronegócio em comparação a outros setores da economia, dada a natureza da área.

Para tentar driblar as adversidades, atualmente a comunidade científica trabalha para desenvolver sementes mais resistentes ao clima seco e que necessitam de menos recursos hídricos para se desenvolver. Além disso, a redução da aplicação de adubos químicos, os sistemas de captação de água das chuvas para uso na irrigação e a eliminação de pesticidas são algumas das medidas que produtores podem adotar para contribuir para a causa e se preparar para as mudanças climáticas.

A sustentabilidade no agronegócio é algo muito importante para o Brasil devido à relevância desse setor para a saúde financeira do País. Por isso, os cuidados com a natureza devem ser internalizados e estrategicamente traçados ao longo das próximas décadas para que seja possível atravessar a crise. 

Efeitos da mudança climática

Escassez hídrica se tornou um problema sério para o Brasil nos últimos anos. (Fonte: Shutterstock)
Escassez hídrica se tornou um problema sério para o Brasil nos últimos anos. (Fonte: Shutterstock)

Em agosto deste ano, o sexto relatório de avaliação (AR6) do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) da Organização das Nações Unidas (ONU) foi publicado. O documento trata do conhecimento científico que se tem hoje sobre os efeitos das mudanças climáticas no planeta.

Leia também:

Planejamento forrageiro ajuda a enfrentar mudanças climáticas

COP26: preço de petróleo deverá despencar nos próximos 15 anos

Bactérias podem ajudar grãos a resistirem à seca

Segundo o relatório, o aumento da temperatura média global está ocorrendo de forma acelerada desde o fim dos processos da revolução industrial, alcançando a marca histórica de crescimento de 1,59 °C desde então. O documento ressalta que a mudança do clima já provocou danos irreversíveis à natureza.

Como resultado, eventos extremos ocorrem com quase três vezes mais frequência do que no passado, podendo se tornar ainda mais corriqueiros caso a elevação da temperatura média da Terra alcance a marca de 4,4°C. Isso se torna um problema principalmente para países tropicais como o Brasil, onde os efeitos negativos podem ser sentidos em maior escala.

Impactos do aquecimento global no agronegócio

Falta de chuvas causou quebra de safras na Região Sul. (Fonte: Shutterstock)
Falta de chuvas causou quebra de safras na Região Sul. (Fonte: Shutterstock)

E qual é o real efeito das mudanças climáticas no agronegócio brasileiro? Em primeiro lugar, nos próximos anos, devemos ter chuvas mais intensas, mais ondas de calor, secas e desafios para os produtores em um contexto geral. Em 2021, por exemplo, uma seca histórica fez que 53 municípios de cinco estados tivessem de racionar água.

Com a escassez hídrica provocando grande desequilíbrio nos ecossistemas principalmente das Regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste do País, os produtores rurais estão mais propensos a vivenciar a quebra e a queda produtiva de suas safras. Portanto, esse momento histórico também deve ser encarado como uma oportunidade para o agronegócio desenvolver mais tecnologias sustentáveis e instaurar boas práticas para continuar produtivo.

As mudanças climáticas consequentemente implicam a necessidade de mais investimentos em pesquisa e a adequação a novas regras comerciais, que devem penalizar atividades poluentes que ameacem a saúde do planeta. Sendo assim, o pensamento sustentável precisa ser visto como o caminho para o futuro. 

Fonte: Summit Estadão, Embrapa.

Este conteúdo foi útil para você?

168310cookie-checkComo o agronegócio pode se adaptar às mudanças climáticas?

Canal Agro