Inflação tem um novo aumento; veja os alimentos que vão ficar mais caros

13 de setembro de 2021 3 mins. de leitura
Boletim Focus divulgado pelo Banco Central estima inflação a 8% em 2021, o dobro da meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional

Conheça o mais relevante evento sobre agronegócio do País

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do Brasil, ficará em 8% em 2021, segundo a previsão do mercado financeiro, divulgada nesta segunda-feira (13), no Boletim Focus do Banco Central. O número é o dobro da meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CNM), que é de 3,75% ao ano.

A expectativa do mercado para inflação este ano aumentou pela vigésima terceira vez seguida. Com isso, a previsão para a taxa Selic subiu de 7,63% para 8% ao ano, o que deve encarecer empréstimos e financiamentos. Na última semana, o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a taxa básica de juros para 5,25% ao ano. No início de 2021, a Selic estava em 2% anuais.

Com juros mais altos e inflação em aceleração, houve uma redução na estimativa de crescimento da economia. A expectativa dos economistas para a elevação do Produto Interno Bruto (PIB) passou de 5,15% para 5,04% em 2021. Para o próximo ano, a previsão do mercado recuou de um crescimento de 1,93% para 1,72%.

Leia também:

Inflação alta e queda do PIB: como o agronegócio está reagindo?

Inflação dos alimentos aumenta o preço do prato feito

Inflação da carne: proteínas animais podem ficar mais caras?

Quais alimentos estão mais caros?

Há 20 anos, era possível comprar 58 kg de feijão com R$ 100, mas hoje o mesmo valor compra apenas 13 kg. (Fonte: Shutterstock/Andrzej Rostek/Reprodução)
Há 20 anos, era possível comprar 58 kg de feijão com R$ 100, mas hoje o mesmo valor compra apenas 13 kg. (Fonte: Shutterstock/Andrzej Rostek/Reprodução)

O IPCA em agosto ficou em 0,87%, a maior variação para o mês nos últimos 21 anos. A inflação do grupo alimentação e bebidas foi a segunda com maior impacto no índice. Em agosto, o segmento registrou uma alta de 1,39%.

A alimentação fora do domicílio saiu de um aumento médio de preços de 0,14% em julho, para 0,76% em agosto, puxado pela inflação do lanche (1,33%) e da refeição (0,57%). No caso da alimentação no domicílio, os preços registrados em agosto tiveram um crescimento maior. Durante o mês foi registrada inflação de 1,63%, mais que o dobro que os 0,78% de julho.

Os alimentos que tiveram as maiores altas foram a batata-inglesa (19,91%), o café moído (7,51%), o frango em pedaços (4,47%), as frutas (3,90%) e as carnes (0,63%). Por outro lado, a cebola e o arroz registraram quedas de, respectivamente, 3,71% e 2,09%.

O que é inflação?

Inflação reduz o poder de compra e atinge mais consumidores com menor renda. (Fonte: Shutterstock/Andrey_Popov/Reprodução)
Inflação reduz o poder de compra e atinge mais consumidores com menor renda. (Fonte: Shutterstock/Andrey_Popov/Reprodução)

A inflação é o declínio do poder de compra do consumidor ao longo do tempo. Uma estimativa da taxa inflacionária reflete o aumento de um nível de preço médio de bens e serviços em um período.

O aumento no nível geral de preços, frequentemente expresso em porcentagem, significa que um mesmo valor compra menos do que em períodos anteriores, afetando mais as camadas mais populares. O fenômeno econômico gera incertezas sobre a capacidade de crescimento de uma economia e desestimula investimentos.

Fonte: Banco Central do Brasil, Agência IBGE de Notícias.

Este conteúdo foi útil para você?

155860cookie-checkInflação tem um novo aumento; veja os alimentos que vão ficar mais caros

Canal Agro