Agronegócio alcança marca de 60 mercados externos abertos

29 de junho de 2020 3 mins. de leitura
Entre os produtos exportados estão soja para China, castanha-do-brasil para Arábia Saudita e material genético avícola para diversos países

Quer impulsionar seus negócios? Se inscreva no Summit Agronegócio, evento que reúne os maiores especialistas em agro do País.

***

Exportações representam uma fatia importante do agronegócio brasileiro, e desde janeiro de 2019 o País abriu comercialização com 60 mercados para o segmento. “O Ministério da Agricultura, na área internacional, optou pela abertura de mais mercados, mas também da diversificação de produtos”, disse a ministra Tereza Cristina, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), durante um webinar promovido pelo Instituto de Energia. Na oportunidade, as pautas eram oportunidades e perspectivas para o setor agropecuário durante a pandemia do novo coronavírus, área que deve sair fortalecida da crise.

A ministra também destacou que a exportação não deve ficar concentrada em alguns produtos pelos quais o Brasil é mundialmente reconhecido, como soja, milho, carnes e cana-de-açúcar. O setor lácteos, por exemplo, foi o foco da negociação com a Tailândia.

Muito além de soja, milho e carne

O Brasil importa uma grande variedade de produtos para vários países (Fonte: Shutterstock).
Além de soja, milho e carne, o Brasil exporta uma grande variedade de produtos para vários países. (Fonte: Shutterstock)

Entre os produtos exportados, podemos citar:

  • castanha-de-baru para a Coreia do Sul;
  • melão para a China (a primeira fruta brasileira para o país asiático);
  • gergelim para a Índia;
  • castanha-do-brasil (também conhecida como castanha-do-pará) para a Arábia Saudita;
  • material genético avícola para diversos países.

Além de comemorar a marca de 60 mercados abertos, o Mapa celebra recorde no setor de exportações do agronegócio em abril. Pela primeira vez desde 2013, o Brasil ultrapassou a barreira de US$ 10 bilhões em insumos vendidos, chegando a US$ 10,22 bilhões em 2020, contra US$ 9,65 bilhões em abril de 2013. O valor também é 25% superior em comparação com o mesmo mês do ano passado (US$ 8,18 bilhões).

Ainda de acordo com informações do Mapa, o recorde foi alcançado principalmente graças ao aumento dos embarques de soja em grão. A exportação desse produto cresceu 73,4%, com 16,3 milhões de toneladas, sendo a China o principal importador — o equivalente a 72,3% da quantidade total exportada do produto.

Mercado interno seguro

Apesar das expansões das exportações, o mercado interno está garantido (Fonte: Shutterstock).
Apesar do aumento das exportações, o mercado interno está garantido. (Fonte: Shutterstock)

Embora tenha compartilhado informações positivas com relação às exportações, a Ministra Tereza Cristina deixou claro que o mercado interno tem o abastecimento garantido: “Estamos acompanhando o que colhemos, o que vendemos. Esse monitoramento é fundamental para a segurança alimentar do Brasil e para o cumprimento dos nossos acordos comerciais”. A chefe da pasta garante que a expansão das vendas não vai afetar a demanda interna e destaca que não há risco de faltar alimento no mercado nacional, mesmo que algumas regiões estejam sofrendo com um condições climáticas desfavoráveis.

Quer ficar por dentro das novidades sobre exportações no agronegócio? O Summit Agronegócio reúne especialistas e autoridades para discutir os temas mais relevantes do setor, como impacto do aumento do dólar e da pandemia nos preços, demandas e expectativas, além de selos necessários. Faça parte da evolução do agro e participe do evento mais completo do setor. Para saber mais, é só clicar aqui!

Fonte: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Gostou? Compartilhe!