BioAS: conheça a nova tecnologia de análise biológica do solo

18 de agosto de 2020 4 mins. de leitura
Sistema desenvolvido pela Embrapa analisa a presença de enzimas que têm grande influência sobre a produtividade do solo
Quer impulsionar seus negócios? Se inscreva no Summit Agronegócio, evento que reúne os maiores especialistas em agro do País. *** Os agricultores já estão acostumados à rotina de fazer análises físicas e químicas do solo, que são essenciais para realizar a adubação correta e ter uma boa produtividade na lavoura. A partir de agora, com uma nova tecnologia desenvolvida pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), o BioAS, esse processo pode se tornar ainda mais preciso e eficiente por meio de uma análise biológica do solo.
Comparativo entre uma amostra de solo biologicamente comprometido (à esquerda) e outra saudável (Fonte: Embrapa/Reprodução)
Comparativo entre uma amostra de solo biologicamente comprometido (à esquerda) e outra saudável. (Fonte: Embrapa – Fundação MT /Reprodução)

Um exame de sangue do solo

Como explicam os pesquisadores da Embrapa, a nova tecnologia analisa a presença de duas enzimas, a betaglicosidase e arilsulfatase, que são importantes para a saúde do solo e para a produtividade da lavoura. Elas atuam, respectivamente, nos ciclos do carbono e do enxofre. Grandes quantidades delas são indicadoras de uma terra saudável, sustentável e que é manejada de acordo com as boas práticas — portanto, um solo mais produtivo. Dessa maneira, as análises feitas pela tecnologia BioAS também ajudam a observar de forma mais rápida quaisquer mudanças, positivas ou negativas, que o manejo do solo possa causar em suas características biológicas. Segundo a Embrapa, essas análises são mais sensíveis do que os indicadores químicos e físicos, funcionando como se fossem “exames de sangue do solo”, permitindo observar problemas que, de outra forma, não seriam detectáveis. Além disso, as análises biológicas permitem o diagnóstico do solo de forma mais profunda e assertiva. Muitas vezes, amostras de solo com características químicas e físicas semelhantes têm níveis de produtividade totalmente diferentes. Segundo a Embrapa, a tecnologia BioAS possibilita o entendimento melhor do porquê isso ocorre.

Como fazer análises pela tecnologia BioAS?

O novo sistema foi lançado no final de julho e já está disponível em uma rede de laboratórios credenciados. Até o momento da publicação desta reportagem, nove laboratórios, em cinco estados do Brasil — Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, São Paulo e Paraná — haviam sido devidamente capacitados e credenciados pela Embrapa para fazer as análises pelo sistema BioAS. Qualquer laboratório, em todas as regiões do País, pode receber o treinamento e integrar a rede.
Amostras são analisadas por laboratórios credenciados pela Embrapa (Fonte: Embrapa/Reprodução)
Amostras são analisadas por laboratórios credenciados pela Embrapa. (Fonte: Embrapa/Reprodução)
Fora essa especificidade em relação aos laboratórios, a análise biológica das enzimas é feita por processo muito semelhante ao das coletas de amostras já realizadas para as análises tradicionais. O solo é coletado na mesma época, após a colheita, e a maior diferença nos procedimentos é que as amostras são extraídas de uma camada entre 0 e 10 centímetros para o sistema BioAS. Nos laboratórios, as análises são feitas de acordo com uma tabela de indicadores e parâmetros de referência atualizados periodicamente pela Embrapa, de acordo com os valores ideias para cada safra. Por enquanto, o sistema BioAS foi disponibilizado para os produtores de grãos e fibras do Cerrado, mas a Embrapa tem planos de expandir a experiência para outras regiões e culturas, como a cana-de-açúcar, o café e as pastagens. Quer saber mais sobre os sistemas que estão sendo lançados para ajudar a aumentar a produtividade das lavouras?  Se inscreva para o Summit Agro, evento que reúne os maiores especialistas em agronegócio do País. Fonte: Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).
Gostou? Compartilhe!