95% da colheita da cana no Estado de São Paulo são mecanizados

25 de setembro de 2020 3 mins. de leitura
Mecanização da colheita está diretamente ligada ao desempenho econômico do estado

Quer impulsionar seus negócios? Se inscreva no Summit Agronegócio, evento que reúne os maiores especialistas em agro do País.

***

A cana-de-açúcar é a maior cultura do agronegócio paulista; sozinha, responde por 37% de toda a receita do estado, incluindo os setores que não pertencem ao agronegócio. Graças a isso, a região se destaca historicamente como a principal produtora brasileira de bioeletricidade, com cerca de 60% da produção sucroalcooleira do País, o que inclui açúcar e alguns tipos álcool, como etanol e álcool em gel.

A receita do sucesso parece estar na tecnologia. Segundo o Instituto de Economia Agrícola (IEA) de São Paulo, ligado à Secretaria de Agricultura e Abastecimento do estado, 95,3% da colheita são feitos de forma mecanizada, o que a torna eficiente e permite que a produção cresça em escala, atendendo às necessidades da agricultura comercial típica da região.

Oportunidade

O terreno pouco acidentado facilita a mecanização massiva. (Fonte: Shutterstock)
O terreno pouco acidentado facilita a mecanização massiva. (Fonte: Shutterstock)

Segundo o IEA, o estado mais que dobrou esse índice nos últimos anos: na safra de 2007/2008, apenas 41% da colheita foram realizados de forma mecanizada. Trata-se, portanto, de uma aposta dos produtores rurais com ótimo resultado, o que permite que a cana ocupe um lugar estratégico na balança comercial de São Paulo.

Para além de uma opção de gestão acertada, a mecanização em tão larga escala é possível devido ao relevo do Estado de São Paulo. Exceto pelo declive abrupto representado pela serra do mar, que divide o litoral do interior, o aspecto geológico facilita o emprego da colheita mecânica, pois há longos trechos de planície nos quais o maquinário é uma opção interessante. Em relação aos 4,7% restantes, trata-se de plantações em terrenos muito acidentados ou pequenos, em que o trabalho familiar é suficiente para a manutenção da cultura.

Impacto

Segundo o IEA, a falta de políticas sociais junto à mecanização trouxe efeitos preocupantes. (Fonte: Shutterstock)
Segundo o IEA, a falta de políticas sociais junto à mecanização trouxe efeitos preocupantes. (Fonte: Shutterstock)

Ainda segundo o órgão paulista, uma questão a ser equacionada é o efeito da mecanização na absorção da mão de obra rural. No intervalo mensurado pela pesquisa (2007/2008 e 2018/2019), o número de trabalhadores que atuaram na colheita caiu de 160 mil para 18 mil, aproximadamente, em uma redução de quase 90% na empregabilidade.

A mecanização é uma demanda importante tanto do ponto de vista econômico como em relação à natureza da tarefa: a colheita da cana está entre as modalidades de atividade rural mais extenuantes para os trabalhadores, que costumam ser mal remunerados. Por essa razão, o grau de adoecimento desses profissionais é fator de estudo há alguns anos.

Quer saber mais sobre a mecanização das lavouras? Inscreva-se no Summit Agro, evento que reúne os maiores especialistas do setor no País.

Fonte: Governo de São Paulo, Scielo e Fapesp.

Gostou? Compartilhe!