Quais são as perspectivas para as commodities agrícolas em 2021?

15 de março de 2021 3 mins. de leitura
Preço das commodities está maior do que antes da pandemia, e custos de produção pressionam margens da cadeia do agronegócio

Conheça o mais relevante evento sobre agronegócio do País

Os preços das commodities agrícolas atingiram níveis recordes tanto no mercado internacional quanto no doméstico, mesmo com os últimos 12 meses sendo marcados pela pandemia. Esse cenário de valorização deve continuar em 2021, de acordo com a avaliação da Consultoria Agro do Itaú BBA. E a alta deve permanecer pressionando as margens de toda a cadeia produtiva do agronegócio.

Avaliação do mercado de commodities

“Tivemos um ano atípico, complicado”, comenta Guilherme Pessini, superintendente de agronegócios do banco. Apesar disso, os riscos de logística e de produção previstos no início da pandemia não se materializaram. “A segunda onda de covid-19, com a interiorização, ainda poderá ter impacto, mas é um grande ano para agricultura brasileira”, avalia o superintendente.

Os preços estão passando por um ciclo duradouro de elevação, garante Guilherme Bellotti, gerente da Consultoria Agro do Itaú BBA: “Os fundamentos têm sido grandes propulsores dos aumentos que temos observado”. Entre eles, o baixo estoque mundial de commodities, a recuperação da economia global e a desvalorização do dólar frente a várias moedas.

Soja e milho

Demanda chinesa puxou a alta do preço da soja e do milho no mercado internacional. (Fonte: Shutterstock/Alf Ribeiro/Reprodução)
Demanda chinesa puxou a alta do preço da soja e do milho no mercado internacional. (Fonte: Shutterstock/Alf Ribeiro/Reprodução)

O cenário de recomposição do rebanho suíno chinês em um modelo de produção industrializado, baseado em rações, tem favorecido a valorização da soja e do milho. “Historicamente, a China não tem sido um grande player no mercado internacional de milho, mas o reboque da recuperação do rebanho suíno chinês e de outras proteínas contribui para o cenário de aumento de demanda de soja e milho”, avalia Bellotti.

Considerando os preços em dólar, no último ano a soja teve valorização de 62% e o milho, de 48%. Em real, o valor dos grãos dobrou. “O milho perdeu a correlação de energia e virou para alimentos”, explica Pessini. O executivo ressalta que o milho é uma commodity com grande potencial de produtividade, da ordem de grandeza de duas vezes maior em condições de faturamento em comparação à soja.

Leia também:

Valor da produção agropecuária bate recorde histórico em 2020
A batalha de 2021 tem um nome: a guerra das cadeias de suprimentos
Como reduzir os riscos de mercado na comercialização da safra?

Cana-de-açúcar

Clima seco e quente em 2020 deve prejudicar safra 2021/2022 de cana. (Fonte: Shutterstock/Yatra/Reprodução)
Clima seco e quente em 2020 deve prejudicar safra 2021/2022 de cana. (Fonte: Shutterstock/Yatra/Reprodução)

“Nós teremos uma moagem de cana menor na safra 2021/2022″, estima Bellotti. A perspectiva do executivo do Itaú BBA é que haja redução de 3,5% do volume de cana moída entre abril de 2021 e maio de 2022. O mix açucareiro deve ficar em torno de 46%, pois o valor do açúcar ainda é mais atrativo do que o do etanol.

Riscos para o agronegócio brasileiro

O cenário, entretanto, apresenta alguns riscos. Os aumentos de custos de produção e os desafios do mercado doméstico, como a dificuldade de repasse da alta de preço aos consumidores finais e de recuperação da economia por conta da lentidão na vacinação, preocupam o setor.

Não perca nem um fato que acontece no agronegócio. Inscreva-se em nossa newsletter.

Fonte: Agro em Pauta – Itaú BBA. 

Este conteúdo foi útil para você?

137280cookie-checkQuais são as perspectivas para as commodities agrícolas em 2021?

Canal Agro