La Niña: quais culturas são favorecidas pela invernada?

9 de novembro de 2021 3 mins. de leitura
Quatro Estados brasileiros deverão ser atingidos por clima frio em novembro, em decorrência da influência do fenômeno climático La Niña

Conheça o mais relevante evento sobre agronegócio do País

O fenômeno climático La Niña, caracterizado pelo resfriamento anômalo das águas do Pacífico, voltou pelo segundo ano consecutivo, alterando o padrão climático em todo o mundo. No Brasil, devem ser registradas, até o início da semana que vem, precipitações acima da normalidade e um frio fora de época em Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso e Rondônia, acontecimento conhecido popularmente como “invernada”.

Nos próximos sete dias, a previsão é que o acúmulo de chuva deva ficar entre 150 e 175 milímetros no oeste e norte de Goiás e Distrito Federal. Em alguns pontos do Centro-Oeste, como Sapezal (MT), e do Norte, como Vilhena (RO), o acumulado pode chegar a 200 milímetros em apenas cinco dias.

A alteração climática compromete as atividades de campo, como a aplicação de agrotóxicos para combater doenças fúngicas, e pode propiciar o aumento da ocorrência de ferrugem nas lavouras no período. O trabalho do final da semeadura de soja em Mato Grosso, Goiás e no Matopiba pode ser prejudicado também pelo excesso de chuvas.

Leia também:

Entenda o que é e quais são os impactos do La Niña

Conheça os efeitos do La Niña no agronegócio do Brasil

Como as geadas podem beneficiar culturas

Culturas favorecidas pela invernada

Pêssegos devem ficar mais doces com geada prevista para Santa Catarina. (Fonte: Scarc/Shutterstock/Reprodução)
Pêssegos devem ficar mais doces com geada prevista para Santa Catarina. (Fonte: Scarc/Shutterstock/Reprodução)

Algumas culturas, porém, podem ser beneficiadas pelas temperaturas mais baixas nesta época do ano. Quando o La Niña está influenciando o clima global, é comum que a Região Sul brasileira apresente temperaturas mais baixas durante as estações da primavera e do verão, favorecendo a ocorrência de geadas nos pontos mais elevados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Nas próximas madrugadas, o orvalho pode aparecer congelado na Serra Catarinense. Isso favorece o adocicamento de frutas natalinas, como ameixa, pêssego e nectarina, cujos pomares estão na fase de colheita na região.

Em novembro de 2020, também ocorreram geadas em Santa Catarina, o que propiciou uma boa qualidade do pêssego. Atrás do Rio Grande do Sul e de São Paulo, o Estado é o terceiro maior produtor da fruta no Brasil, respondendo por 8% do volume nacional.

Previsão para o La Niña

Uma grande área do Oceano Pacífico está com temperatura abaixo da média. (Fonte: NOOA/Reprodução)
Uma grande área do Oceano Pacífico está com temperatura abaixo da média. (Fonte: NOOA/Reprodução)

Em 2021, o La Niña começou a aparecer no mês de setembro. Mas foi durante o mês de outubro que aconteceu uma queda mais substancial das temperaturas na superfície do Oceano Pacífico, indicando o fortalecimento do fenômeno climático. Algumas áreas estão com temperatura entre 1°C e 3°C abaixo da média.

A influência do fenômeno no clima global não deve ser tão forte quanto foi em 2020, mas deve ser duradoura. Segundo a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) dos Estados Unidos, existe a probabilidade de 87% das condições do La Niña perdurarem entre dezembro de 2021 e fevereiro de 2022.

Participe do maior e melhor evento sobre agronegócio do País. O Summit Agro é online e gratuito. Inscreva-se aqui.

Fonte: Agência Paraná de Notícias, Tempo, Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA).

Este conteúdo foi útil para você?

163440cookie-checkLa Niña: quais culturas são favorecidas pela invernada?

Canal Agro