Embargo chinês à carne bovina do Brasil é suspenso parcialmente

23 de novembro de 2021 3 mins. de leitura
Após 80 dias de embargo, China volta a liberar importações de carne bovina brasileira certificada antes de 4 de setembro

Conheça o mais relevante evento sobre agronegócio do País

Carne bovina do Brasil certificada até o dia 3 de setembro poderá entrar no mercado chinês, de acordo com decisão divulgada pela Administração Geral de Alfândegas da China (Gacc), nesta terça-feira (23). A medida representa uma suspensão parcial do embargo promovido pelo gigante asiático há 80 dias.

A liberação deve beneficiar os produtos que se encontram presos pela alfândega chinesa, que foram embarcados antes da suspensão voluntária de exportações pelo Brasil por conta da detecção de dois casos atípicos do “mal da vaca louca” em frigoríficos de Nova Canaã do Norte (MT) e de Belo Horizonte (MG), em 4 de setembro.

O protocolo sanitário do acordo comercial entre Brasil e China prevê que as vendas de carne devem ser interrompidas até que um laboratório internacional investigue o caso. Apesar da Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) considerar que a proteína brasileira é segura para o consumo humano, os chineses não haviam retomado às importações de carne bovina.

Leia também:

Carne bovina já enviada à China pode ser recusada, causando prejuízos

Vaca louca: suspeita da doença no Brasil impacta o preço da carne

Vaca louca: conheça a doença e saiba como preveni-la

Parceria comercial

Brasil e China avançaram com relação ao embargo que já dura 80 dias. (Fonte: BravissimoS/Shutterstock)
Brasil e China avançaram com relação ao embargo que já dura 80 dias. (Fonte: BravissimoS/Shutterstock)

O Brasil exporta quase 2 milhões de toneladas de carne bovina por ano. Quase metade desse volume tem como destino o mercado chinês. Dessa maneira, o embargo afetou substancialmente os embarques brasileiros e provocou apreensão entre a cadeia produtiva da pecuária.

Em outubro, o volume exportado da proteína foi de 108,6 mil toneladas, uma redução de 43% em comparação com o mesmo mês do ano passado, segundo dados da Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo). O faturamento com os embarques recuaram para US$ 541,6 milhões no período, uma redução anual de 31%.

Diante do cenário, parte do que não foi embarcado para o mercado chinês foi direcionado para os Estados Unidos. Isso gerou uma reação dos pecuaristas norte-americanos, que chegaram a pedir ao governo dos EUA a suspensão de importação da entrada da carne in natura do Brasil.

Previsão de retomada

Ministra Tereza Cristina espera que embargo seja suspenso em breve. (Fonte: José Cruz/Agência Brasil/Reprodução)
Ministra Tereza Cristina espera que embargo seja suspenso em breve. (Fonte: José Cruz/Agência Brasil/Reprodução)

Desde o final de setembro, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) busca negociar com as autoridades chinesas a retomada das exportações. Como a carne bovina brasileira representa 40% das importações da China, a expectativa inicial era de que a interrupção durasse apenas algumas semanas.

A ministra Tereza Cristina comemorou a suspensão parcial do embargo em declaração a jornalistas na porta do Mapa. “Agora temos o próximo passo, que é liberar a carne brasileira daqui para frente”, disse. A liberação total da carne bovina brasileira pelos chineses deve acontecer em dezembro, de acordo com a expectativa da ministra.

Fonte: Estadão, Agência Brasil.

Este conteúdo foi útil para você?

165750cookie-checkEmbargo chinês à carne bovina do Brasil é suspenso parcialmente

Canal Agro