Digitalização: imóveis rurais podem ser cadastrados pela internet

13 de maio de 2021 4 mins. de leitura
Digitalização do cadastro de imóveis rurais economiza recursos financeiros dos produtores, que não precisam mais se deslocar

Conheça o mais relevante evento sobre agronegócio do País

Os proprietários de imóveis rurais precisam estar inscritos no Cadastro de Imóveis Rurais (Cafir), mesmo se tiverem imunidade ou isenção de Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (ITR) — e agora isso pode ser feito de maneira digital. O banco de dados, administrado pela Receita Federal, passou por uma digitalização e todos os seus serviços podem ser realizados agora pela internet.

Todos os documentos necessários ao cadastro ou a inclusão de novas informações poderão ser encaminhados pelo Centro Virtual de Atendimento da Receita (e-CAC). De acordo com o Ministério da Economia, esclarecimentos adicionais e a confirmação de que o cadastro foi concluído também passarão a ser efetuados apenas eletronicamente.

O envio eletrônico de documentos está disponível para quem inicia o processo pelo Sistema Nacional de Cadastro Rural (SNCR), por meio do Cadastro Nacional de Imóveis Rurais (CNIR) ou para quem usa o Sistema Coletor Web associado ao Cafir e administrado pela Receita Federal.

Digitalização de serviços públicos

Novos serviços eletrônicos estão sendo oferecidos pelo governo federal. (Fonte: Shutterstock/inkyone/Reprodução)
Novos serviços eletrônicos estão sendo oferecidos pelo governo federal. (Fonte: Shutterstock/inkyone/Reprodução)

A medida faz parte do Plano de Ação do Ministério da Economia no cenário pós-pandemia e contribui para a digitalização dos serviços públicos. Em 2020, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) digitalizou 81 serviços, beneficiando cerca de 500 mil pessoas e empresas.

Entre os serviços oferecidos, estão a habilitação de médicos veterinários da iniciativa privada, dentro do Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal, e o pedido de habilitação de laticínios e cooperativas de leite no Programa Mais Leite Saudável.

O Mapa também lançou a plataforma ID Agro — para o registro oficial de tratores e equipamentos agrícolas sem custo para o produtor rural — e um serviço para obtenção de crédito por meio do Programa Nacional de Crédito Fundiário (Terra Brasil) a fim de facilitar e agilizar o acesso ao crédito rural para aquisição de terras e infraestruturas básicas e produtivas.

Leia também:

Registro eletrônico de atividades ligadas à alimentação animal é confirmado
Como começar a usar agricultura digital no agronegócio?
Produtor mergulha na tecnologia

Acesso a ferramentas digitais

Facebook e WhatsApp são as ferramentas digitais mais utilizadas pelos produtores rurais. (Fonte: Shutterstock/MichaelJayBerlin/Reprodução)
Facebook e WhatsApp são as ferramentas digitais mais utilizadas pelos produtores rurais. (Fonte: Shutterstock/MichaelJayBerlin/Reprodução)

As ferramentas digitais são utilizadas por 84% dos agricultores brasileiros consultados em uma pesquisa conduzida pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) em conjunto com o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

O estudo contou com a participação de 504 produtores rurais, que se dedicam à agricultura, pecuária ou silvicultura (cultivo de florestas), além de 249 empresas ou prestadores de serviços em agricultura digital. A pesquisa contou com participantes de 556 municípios brasileiros, sendo 33% do Sudeste, 28% do Sul e 26% do Nordeste.

O principal acesso a ferramentas digitais, utilizado por 70% dos consultados, é realizado por meio da internet, com a utilização de redes sociais como Facebook e WhatsApp para obtenção de informações relativas à propriedade, aquisição de insumos e comercialização da produção.

Dificuldades de implantação

Os principais desafios para elevar a adoção de tecnologias digitais nas fazendas, apontados pelo estudo da Embrapa, são o custo de implantação dos equipamentos digitais (67%) e os problemas de conectividade (48%).

Apenas 5% da área agriculturável do País está conectada à internet, de acordo com um estudo da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo (Esalq-USP). Uma cobertura próxima a 90% requer a implantação de 16 mil novas antenas de transmissão, segundo o Mapa.

Não perca nem um fato que acontece no agronegócio. Inscreva-se em nossa newsletter.

Fonte: Agência Brasil, Casa Civil da Presidência da República, Revista Pesquisa Fapesp.

Este conteúdo foi útil para você?

146330cookie-checkDigitalização: imóveis rurais podem ser cadastrados pela internet

Canal Agro