Brucelose bovina: o que é e como evitá-la

31 de março de 2020 4 mins. de leitura
Conhecida também como febre de malta ou aborto infeccioso, a brucelose bovina é causada por uma bactéria e exige medidas rígidas de prevenção e remediação

A brucelose é uma infecção altamente contagiosa, causada por bactérias que pertencem ao gênero Brucella. Entre as seis espécies do grupo, a que atinge diretamente os bovinos é classificada como Brucella abortus.

Essa zoonose pode causar sérios problemas não só para o gado mas também para pessoas que estejam em contato direto com animais infectados. Além disso, a doença pode ser transmitida para o homem através de ingestão de leite cru ou produtos derivados que não tenham passado por um processo específico de tratamento térmico e pelo consumo de carne crua que contenha restos de tecidos de animais infectados.

No gado leiteiro, de acordo com estudos, a brucelose bovina pode causar cerca de 25% de perda na produção de leite e 15% na produção de bezerros. Tudo isso acarreta um grande prejuízo financeiro, além de comprometer a credibilidade do produtor e do gado, podendo gerar outras penalidades e barreiras comerciais.

vacas no pasto
( Fonte: Unsplash)

Transmissão da brucelose bovina

A brucelose bovina é transmitida entre os animais por outras vias, como durante o parto ou no abortamento de animais contaminados. Quando a mãe lambe o bezerro após o parto, também há grandes riscos de contaminação caso haja a presença da bactéria.

Outra forma de contágio é através da inseminação artificial, quando o sêmen tem o agente infeccioso. No coito natural, a chance de transmissão é praticamente nula.

Sintomas

A observação e o conhecimento dos sintomas da brucelose bovina são fundamentais para evitar que a doença se espalhe e permaneça no ambiente. Por isso, é importante saber que pode haver sinais diferentes para machos e fêmeas.

Nas fêmeas, os principais sinais de infecção por Brucella abortus são:

  • queda na produção de leite;
  • repetições de cio;
  • corrimento vaginal;
  • nascimentos prematuros;
  • abortamentos no terço final da gestação;
  • bezerros recém-nascidos com muita fraqueza;
  • morte de bezerros no nascimento;
  • retenção placentária;
  • infertilidade permanente ou temporária.

Já nos machos, os sintomas que apontam para o alerta de brucelose bovina são:

  • infertilidade;
  • inflamação nos testículos, conhecida como orquite;
  • problemas de articulação, como artrite e bursite;
  • lesões nas glândulas mamárias.
brucelose bovina
( Fonte: Unsplash)

Como evitar a brucelose bovina

A melhor forma de evitar a ocorrência da brucelose bovina é através da vacinação preventiva. Por se tratar de uma doença sem cura e altamente infecciosa, a proteção é medida obrigatória para os rebanhos, devendo ser comprovada por atestado expedido e assinado por um médico veterinário, além de um profissional com registro no Ministério da Agricultura (Mapa). Também é preciso realizar a marcação dos animais vacinados, cuja aplicação ocorre em uma única dose e apenas nas fêmeas do rebanho.

Atualmente, é possível encontrar duas opções de vacinas contra brucelose bovina: B19 e RB51. A B19 é destinada para bezerras de três meses a oito meses de idade, e a RB51 permite a vacinação de fêmeas adultas.

Também é fundamental realizar exames para avaliação e diagnóstico de animais infectados, para que a remediação imediata possa ser feita. Nesse caso, os animais que apresentem a doença devem ser descartados após a notificação da agência de defesa animal. O descarte imediato se faz necessário diante da gravidade da doença, que pode matar até 75% do rebanho quando não erradicada.

Para o diagnóstico, os exames mais utilizados são o Teste de Soro Aglutinação com Antígeno Acidificado Tamponado (AAT) e 2-Mercaptoetanol (2-ME). Em alguns casos específicos, pode ser necessário realizar outros, como Teste do Anel do Leite (TAL) e Fixação do Complemento (FC).

Se interessou pelo assunto? Aprenda mais com especialistas da área no Summit Agro. Enquanto isso, acompanhe as notícias mais relevantes do setor pelo blog. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fonte: Rehagro

Gostou? Compartilhe!