Clima atrapalha safra e eleva preços de alimentos no Brasil

14 de junho de 2022 4 mins. de leitura
IBGE estima crescimento de 3% na produção de cereais, leguminosas e oleaginosas em 2022, mas clima derruba volume de soja e arroz

Conheça o mais relevante evento sobre agronegócio do País

A produção agrícola brasileira deve crescer 3,3% em 2022, com um volume de 261,5 milhões de toneladas de cereais, leguminosas e oleaginosas, segundo último Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. A previsão, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em abril, representa um avanço de 1% em relação ao mês anterior.

Apesar disso, o clima atrapalhou as lavouras de soja, laranja, café e uva, levando a uma redução na estimativa de produção para a safra. Com a menor oferta no mercado doméstico, a cotação desses produtos deve subir até o final de 2022; apenas em abril, o preço dos alimentos para consumo em domicílio teve uma alta de 2,59%, segundo o IBGE.

Principais produtos

Falta de chuvas prejudicou diversas lavouras na Região Sul do Brasil. (Fonte: Shutterstock/Reprodução)
Falta de chuvas prejudicou diversas lavouras na Região Sul do Brasil. (Fonte: Shutterstock/Reprodução)

A estimativa da área das lavouras também cresceu, com a expectativa de 71,9 milhões de hectares, 0,2% maior do que o previsto em março e 4,9% maior que em 2021. Mais de 90% das áreas plantadas são de arroz, milho e soja, a área dos milharais deve aumentar em 8,1% e a das plantações de soja em 4,2%, enquanto as áreas de rizicultura podem ter queda de 2%.

Soja

A safra de soja foi marcada por problemas no clima, com um grande período de falta de chuvas durante o desenvolvimento das lavouras nos Estados do Centro-Sul. Com a colheita praticamente finalizada em abril, o setor deve atingir um volume de 118,5 milhões de toneladas, uma queda de 12,2% em comparação à temporada anterior.

Leia também:

Como o mercado de grãos impacta o preço dos laticínios?

Até quando a plantação de soja continuará valendo a pena?

Milho: quando e qual é a melhor maneira de vender

Milho

Depois do atraso do plantio por conta da estiagem, o que provocou a quebra na primeira safra, o milho conseguiu se recuperar na segunda safra, representando 77% da produção brasileira, e deve alcançar um novo recorde nacional. O volume produzido é estimado em 111,9 milhões de toneladas, uma alta de 27,5% em relação ao ano passado.

Arroz

Preço do arroz poderá ter alta em 2022, caso a estimativa de retração da produção se confirme. (Fonte: Shutterstock/Reprodução)
O preço do arroz poderá ter alta em 2022, caso a estimativa de retração da produção se confirme. (Fonte: Shutterstock/Reprodução)

Os problemas climáticos causados pelo fenômeno La Niña derrubaram a produtividade do arroz em casca nesta safra. O volume projetado pelo IBGE é de 10,6 milhões de toneladas em abril, uma diminuição de 8,5% frente a 2021, e uma ligeira redução de 100 mil toneladas em comparação à previsão de março.

Feijão

A estimativa do IBGE para a produção total de feijão cresceu 0,8% em abril quando comparada a março, com 3,2 milhões de toneladas colhidas em 2022. Embora a projeção para a primeira safra tenha sofrido um declínio de 7,5% comparado ao mês anterior, em especial por conta do clima adverso no Sul, a segunda safra teve um incremento de 1,3% e a terceira safra de 16,5%.

Café

A produtividade do café aumentou 11,7% em relação a 2021, com rendimento médio de 1.795 quilos por hectare, e isso se deve, principalmente, ao fato de que 2022 é um ano de bienalidade positiva. O volume colhido deverá ser 54,9 milhões de sacas de 60 quilos, um crescimento de 12% em relação ao ano passado. Contudo, a produção deverá ser 13% menor frente a 2020.

Quer saber mais? Conheça a opinião de nossos parceiros especialistas sobre os principais temas do agronegócio.

Fonte: Agência IBGE de Notícias

Este conteúdo foi útil para você?

188380cookie-checkClima atrapalha safra e eleva preços de alimentos no Brasil

Canal Agro