Bovinos leiteiros: como tornar a alimentação mais barata?

14 de maio de 2021 4 mins. de leitura
Custo da ração para criação de bovinos leiteiros está levando pecuaristas a procurarem alternativas para economizar na alimentação do rebanho

Conheça o mais relevante evento sobre agronegócio do País

A alimentação representa entre 45% e 55% do custo total da atividade de criação de bovinos leiteiros de forma intensiva. O farelo de soja, resultado da extração de óleo do vegetal, é a principal fonte protéica utilizada nos concentrados de dietas para vacas leiteiras, mas a constante alta no preço do grão tem feito pecuaristas procurarem alternativas para a elaboração da ração dos animais.

Existem inúmeras opções de proteínas para a alimentação do gado de leite. O criador, contudo, deve ficar atento às diversas fases do animal para escolher a melhor nutrição para as vacas, pois a produtividade leiteira está diretamente ligada à ração consumida, já que as fontes proteicas compõem cerca de 20% de uma dieta padrão.

Apesar de proteínas serem importantes na composição, a nutrição do gado não deve ser composta apenas por elas; é importante que a dieta seja formulada por um nutricionista capaz de identificar os alimentos com os nutrientes que melhor atendam às necessidades dos animais, considerando a relação de custo-benefício de cada material.

Alimentação diferenciada para bovinos leiteiros

Suplementação nutricional é importante para vacas em período de lactação, principalmente na criação intensiva. (Fonte: Shutterstock/TORWAISTUDIO/Reprodução)
Suplementação nutricional é importante para vacas em período de lactação, principalmente na criação intensiva. (Fonte: Shutterstock/TORWAISTUDIO/Reprodução)

Vacas em período de lactação devem receber alimento diferenciado do restante do rebanho. Para encontrar a dieta ideal, é preciso considerar fatores como peso corporal, produção de leite e estágio de parição. As pastagens podem oferecer níveis satisfatórios de nutrientes se houver pastejo intensivo durante o período chuvoso, dispensando a necessidade do uso de alimentos concentrados; no entanto, a suplementação concentrada se torna importante especialmente na estação seca, quando o valor nutricional da forragem diminui.

Dessa forma, durante a produção de leite, o concentrado oferecido às vacas deve apresentar mais de 20% de proteína bruta para compensar a deficiência da maior parte dos suplementos volumosos, que não atingem sequer 8% dos teores de fontes proteicas.

Leia também:

Leite está 42,6% mais caro do que em janeiro de 2020
Doria reduz ICMS da carne e zera imposto do leite em São Paulo
Por que o Brasil dobrou a importação de lácteos da Argentina?

Alternativas de ração

Coprodutos de amendoim, algodão e milho podem substituir farelo de soja como fonte proteica. (Fonte: Shutterstock/Dewald Kirsten/Reprodução)
Coprodutos de amendoim, algodão e milho podem substituir farelo de soja como fonte proteica. (Fonte: Shutterstock/Dewald Kirsten/Reprodução)

A utilização de alternativas na ração de vacas leiteiras pode reduzir os custos da dieta sem gerar prejuízo na produção ou para a saúde dos animais. Entre os coprodutos proteicos mais utilizados para a substituição do farelo de soja, estão farelo de algodão e de amendoim e subprodutos da cadeia produtiva do milho.

O farelo de algodão é obtido a partir da extração do óleo das sementes do algodão, produto que pode ser usado para consumo humano e animal, é encontrado no mercado brasileiro com 38% de proteína e tem energia líquida para lactação inferior à do farelo de soja, que chega a 45%, mas tem valores mais elevados de fibra. Já o farelo de amendoim apresenta 50% de proteína bruta em média, e sua utilização em substituição ao farelo de soja deve ser avaliada com cautela pelo nutricionista, pois existe alto potencial de intoxicação; para evitar a situação, é necessária a retirada da ureia.

O milho já é comumente utilizado como fonte energética para vacas em lactação, mas alguns subprodutos de sua cadeia podem substituir o farelo de soja na dieta dos animais. Ao produzir etanol a partir do milho, a indústria retira o amido do vegetal, o que deixa como resultado subprodutos ricos em proteína que podem compor a dieta do gado leiteiro.

Não perca nem um fato que acontece no agronegócio. Inscreva-se em nossa newsletter.

Fonte: Milk Point, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Educa Point, Centro de Produções Técnicas (CPT). 

Este conteúdo foi útil para você?

146360cookie-checkBovinos leiteiros: como tornar a alimentação mais barata?

Canal Agro