Brasil é vice-campeão na “Copa do Mundo” dos queijos

19 de outubro de 2021 3 mins. de leitura
Destaque fica com Minas Gerais, que levou mais de 10% de todos os prêmios do evento

Conheça o mais relevante evento sobre agronegócio do País

No Mondial du Fromage et des Produits Laitiers, a “Copa do Mundo do Queijo”, das 331 medalhas do evento que reúne os maiores produtores do planeta, 40 foram para Minas Gerais.

No ano que vem, o campeonato brasileiro de queijos será em Inhotim. E isso aumenta a expectativa com o sucesso de Minas, que promete acumular ainda mais prêmios.

Conheça mais sobre o evento mundial, como funcionam as premiações e o que os queijos premiados têm de tão especial.

Entenda como funciona a premiação

Prêmio é disputado por produtores de todo o mundo. (Fonte: Antonio Salaverry/Shutterstock/reprodução)
Prêmio é disputado por produtores de todo o mundo. (Fonte: Antonio Salaverry/Shutterstock/reprodução)

A Copa do Mundo dos queijos existe desde 2013. É um evento que ocorre na cidade francesa de Tours em todos os anos ímpares. Nos anos pares, o destaque fica com a tradicionalíssima Feira de Queijos e Lácteos de Paris.

A competição bienal premia a produção de queijos com medalhas de bronze, prata, ouro e superouro. Desejada, a posição superouro dá destaque aos queijos que são o suprassumo da cultura. Os queijeiros de Minas levaram cinco dessas medalhas para casa.

Os superouros do Brasil foram:

  • Canastra reserva do Ivair José de Oliveira (Serra da Canastra, MG);
  • Canastra Serjão maturado 100 dias, de Sergio de Paula Alves (Piumhi, MG);
  • Mandala 12 meses, da Pardinho Artesanal (Pardinho, SP);
  • Monto da Serra, do Laticínios Cruzilia (Cruzília, MG);
  • Queijo Minas Artesanal Quilombo na Cachaça, de Ivacy Pires dos Santos (Sabinópolis, MG).

Ao todo, o Brasil ficou com 57 prêmios, atrás apenas da França. Os que não tiveram Minas como destino foram para os estados de São Paulo e do Pará. Neste último caso, o queijo premiado foi desenvolvido com leite de búfala, criação tradicional da região do Marajó.

Leia também:

O queijo brasileiro é sucesso em concurso mundial na França

Popularização de queijos artesanais agita o mercado nacional

CVM libera captação de recursos por cooperativas via CRA

Conheça a produção queijeira do País

O sul de Minas concentra o maior polo de produção queijeira do País. (Fonte: Vinicius Bacarin/Shutterstock/reprodução)
O sul de Minas concentra o maior polo de produção queijeira do País. (Fonte: Vinicius Bacarin/Shutterstock/reprodução)

O Brasil tem expertise na produção de queijos. Não é para menos: o País está entre os maiores produtores de leite do mundo. Em 2019, a produção ultrapassou a marca de 35 bilhões de litros, ficando atrás apenas dos Estados Unidos e da Índia.

Segundo a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o Brasil produziu, no ano passado, 745 mil toneladas de queijo. Para este ano, a expectativa é que o número seja ainda maior. 

Mas não é só a quantidade que chama a atenção. De acordo com a SerTãoBras, que organiza a participação dos produtores brasileiros na feira francesa, a qualidade do queijo brasileiro vem se destacando. Tanto fazendas tradicionais como algumas mais modernas, que investem mais em pesquisa, produzem ótimos laticínios.

É por isso que a liderança do País em eventos como o realizado em Tours é fundamental para consolidar o trabalho dos produtores brasileiros e aumentar a demanda pelo queijo nacional. O caráter rústico, típico dos produtos daqui, chamam a atenção do mercado externo, que importam em euro e dólar. 

Fonte: CNA Brasil, Agrolink, Wiki evento leite. 

Este conteúdo foi útil para você?

158640cookie-checkBrasil é vice-campeão na “Copa do Mundo” dos queijos

Canal Agro