Brasil: o campeão mundial da soja

4 de dezembro de 2020 4 mins. de leitura
Nilson Caldas conta como o Comitê Estratégico Soja Brasil (CESB) tem ajudado os agricultores a aumentar a produtividade do grão

Por Nilson Caldas*

Há 12 anos, a produtividade média da soja nacional se encontrava estagnada, fato que motivou a criação do Comitê Estratégico Soja Brasil (CESB) em 2008. Na época, profissionais de diversas áreas da cadeia do grão se uniram e fundaram o comitê, que tem como objetivo estratégico contribuir diretamente para o aumento – com sustentabilidade – da produtividade da soja no Brasil.

A primeira iniciativa foi criar o Desafio Nacional de Máxima Produtividade, que é uma plataforma de inovação aberta, em que produtores e consultores se inscrevem no site do CESB para a troca de experiências sobre boas práticas agrícolas, que poderão ser transferidas para a área comercial e alavancar ainda mais a produção nacional.  

Atualmente, o Brasil é o maior produtor e exportador de soja do mundo. Mas a produtividade média do grão nacional – que hoje é de 55,5 sacas por hectares segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) – tem grande potencial de crescimento. O país também pode expandir a área plantada, uma vez que há muitos locais de pastagens degradadas que podem ser usadas para a expansão da lavoura, sem a necessidade de supressão da vegetação nativa.

A soja é uma das fortalezas do agronegócio brasileiro. Trata-se se do principal produto da balança comercial do setor, com uma fatia de 33% das exportações. O cultivo da oleaginosa utiliza o plantio direto, que é uma técnica conservacionista que ajuda a proteger o solo de erosões. Além disso, os produtores seguem o código florestal brasileiro, respeitando as áreas de reserva legal exigidas.

Diante da alta do custo de produção, aumentar a produtividade na cultura da soja é fundamental. Segundo a consultoria Ag Rural, o custo de produção na safra 2021 terá um crescimento de aproximadamente 5% devido ao repasse cambial feito por fornecedores que possuem a cadeia dolarizada. Esse incremento vem ocorrendo ano após ano em praticamente todos insumos, tais como material genético, calcário, fertilizantes, adubos foliares, produtos fitossanitários e diesel.

Neste contexto, é essencial fazer um bom diagnóstico da fazenda para o agricultor se manter competitivo e aumentar a produtividade com sustentabilidade. Segundo o CESB, há alguns fatores que contribuem para a alta produtividade da soja, tais como: adaptabilidade genética, fertilização, sistema de produção, construção e manutenção da fertilidade do perfil do solo, adubação com micronutrientes, qualidade da semeadura, manejo fitossanitário, arranjo populacional, responsabilidade socioambiental e planejamento da produção.

Abaixo está o histórico de produtividade do Desafio Nacional de Máxima Produtividade do CESB dos últimos 12 anos, que confirma a importância dos pontos destacados neste texto.   

Ao analisar a tabela, podemos verificar que a produtividade média dos dez agricultores mais produtivos foi de 115,7 sacas por hectare no desfio da safra 2019/2020. No entanto, um detalhe chama à atenção: eles produzem entre 70 e 90 sacas por hectare nas áreas comerciais de suas fazendas. Isso prova que é possível produzir entre 15 a 35 sacas a mais, o que a resultaria em maior rentabilidade ao produtor.

Atualmente, o CESB é composto por 22 membros e 29 entidades patrocinadoras: BASF, Bayer, Syngenta, UPL, Jacto, FMC, Brasmax, ATTO Adriana Sementes, SuperBAC, Corteva, IPhytus, Compass Minerals, Stoller, Mosaic, Timac Agro, Stara, Datafarm, Somar Agro, Ubyfol, Viter, Eurochem FTO, Fortgreen, KWS, Yara, Sumitomo Chemical, Adama, Agrivalle, IBRA e FT Sementes.

O Comitê trabalha com iniciativas de inovação aberta com o objetivo de aumentar – com sustentabilidade – a média produtiva do cultivo da soja no Brasil. Se você é produtor, consultor ou trabalha no setor, venha participar conosco.  Já estamos com as inscrições abertas no site do CESB – http://www.cesbrasil.org.br/ para a safra 2021.

* Nilson Caldas é diretor de Marketing do CESB, o Comitê Estratégico Soja Brasil. 

Canal Agro