Como o agronegócio pode ajudar a preservar a Amazônia?

24 de outubro de 2020 3 mins. de leitura
Produtores rurais e ONGs ambientais trabalham em conjunto para buscar uma solução no combate ao desmatamento da região

Quer impulsionar seus negócios? Se inscreva no Summit Agronegócio, evento que reúne os maiores especialistas em agro do País.

***

O desmatamento na Amazônia cresceu 33% entre agosto de 2019 e julho de 2020 em comparação com o mesmo período anterior, aponta o relatório divulgado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Em 2019, foram cerca de 9.762 km² de floresta derrubados na região — número 50% maior do que a média dos últimos 10 anos.

Os índices devastadores chamaram a atenção de ONGs ambientais e instituições do agronegócio, que se aliaram para desacelerar a destruição da natureza. No início de setembro, 230 representantes do setor apresentaram um documento com possíveis soluções para findar o desmatamento da Amazônia Legal.

ONGs e agronegócio se unem para salvar a Amazônia

Coalizão Brasil provê seis medidas para mudar panorama do desmatamento da Amazônia. (Fonte: Shutterstock)

A Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura é o nome do movimento que reuniu entidades, organizações (como a WWF Brasil, Unilever e Youth Climate Leaders) e outras associações da agropecuária, como a Associação Brasileira do Agronegócio (Abag) e a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec).

Em seu documento, a Coalizão defende a retomada e intensificação dos processos de fiscalização no norte do País, visando responsabilizar os infratores. Além disso, o texto também pede medidas de financiamento para produtores que adotarem métodos de produção sustentável, além da destinação de 10 milhões de hectares à proteção e cultivo responsável.

A união associativa se colocou ao dispor do governo federal para atuar como ponte para futuras negociações, fonte de informação e para acelerar o processo de transformação da Amazônia.

Cumprimento do Código Florestal

Brasil não possui números tão expressivos de desmatamento na Amazônia desde 2008, aponta Inpe. (Fonte: Shutterstock)

O cenário de desmatamentos na Amazônia é o pior visto no Brasil desde 2008, quando foram derrubados quase 13 mil km² de floresta. Na época, esse acontecimento serviu como marco regulamentário para o Código Florestal, que foi aprovado em 2018.

O código definiu a anistia sobre as terras desmatadas antes de 22 de julho de 2008, contando que os proprietários as recuperassem dentro de um período de 20 anos. Também chamado de regularização fundiária, o ato de doar ou vender terras públicas para produtores locais que já ocupam essa região é tido como uma das principais medidas para combater o desmatamento.

Por outro lado, a Coalizão defende a não regularização das terras desmatadas após julho de 2008, que estabeleceria impunidade para aqueles que descumpriram as medidas definidas pelo Código Florestal.

A Coalizão também afirma que o desmatamento vem afetando os negócios do Brasil no exterior, visto que embaixadas brasileiras em oito países receberam um comunicado de investidores demonstrando suas preocupações com o cenário ambiental na América do Sul.

Quer ficar informado sobre sustentabilidade? Inscreva-se no Summit Agro, evento que reúne especialistas para falar de sustentabilidade no campo entre outros assuntos. 

Fontes: WWF e Coalizão Brasil.