PIX: entenda como o novo sistema pode impactar o agronegócio

21 de janeiro de 2021 4 mins. de leitura
Agilidade para comprar insumos e realizar pagamentos sem sair do campo são algumas vantagens do PIX para o agro

Tendências e Tecnologia

O PIX é um novo sistema de transferências bancárias do Banco Central que funciona 24 horas por dia, 7 dias por semana e permite com que pagamentos sejam concluídos em segundos, sem taxas e tarifas — comuns às transações como TED e DOC. 

Para realizar esse tipo de operação é necessário gerar um código PIX em qualquer instituição financeira. A chave PIX pode ser o número de CPF, telefone, e-mail ou até mesmo uma chave aleatória gerada pelo banco. O pagamento por meio do sistema também pode ser feito pela leitura de QR Code com a câmera do celular, na opção de fazer um PIX no aplicativo bancário.

“O PIX vai reduzir o custo ao pagador e ao recebedor, fazendo com que a gente não precise mais andar com troco, uma vez que o pagamento pode ser realizado no mesmo momento da transação. O recebimento acontece em torno de 10 segundos, ou até menos, na transferência de uma conta para outra”, explicou a professora de Economia e coordenadora do Núcleo de Estudos da Conjuntura Econômica da FECAP, Nadja Heiderich.

Mulher segurando celular com leitor de QR Code pagando conta

Impactos do PIX para o agronegócio

A agilidade do PIX pode trazer vários benefícios para produtores e trabalhadores do agronegócio. 

Como exemplo, Nadja destacou as operações mais comuns no dia a dia, como compras em feiras e varejos: “na feira, o feirante vai poder realizar o pagamento instantaneamente ao seu fornecedor, trazendo mais segurança de fluxo de caixa para os pequenos produtores. Não só o feirante para o produtor, mas também o consumidor para o feirante. Isso trará mais agilidade e praticidade em termos desses pagamentos”.

Nas áreas rurais, os produtores podem contar com a otimização de pagamentos e negociações sem precisar se deslocar até alguma cidade ou bancos físicos. Sem precisar sair da fazenda, os produtores podem fazer transações digitais de valores altos apenas com um celular e acesso à internet.

Essa tecnologia ajudará na hora de fazer novos pedidos, repor estoques, comprar insumos e até mesmo pagar um serviço em caso de imprevistos, incluindo nos finais de semana, quando geralmente é necessário esperar o dia útil para ir ao banco. 

O PIX reduzirá a necessidade de se ter dinheiro em espécie em mãos, gerando um histórico digital detalhado que pode ajudar a melhorar o controle de fluxo de caixa e a segurança do negócio, dando mais autonomia de ação para o produtor e profissionais envolvidos na cadeia de produção.

Celular com imagem do PIX em cima de notas de dinheiro e moedas

Para pessoas físicas, as operações no novo sistema não têm nenhum tipo de tarifa. Desse modo, quando o produtor escolhe esse meio de pagamento, ele pode conseguir reduzir custos totais com gastos que são comuns em TEDs e DOCs para diferentes bancos.

Como a questão da conectividade ainda é um desafio nas áreas rurais, o sistema também tem soluções offline. Atualmente, o produtor consegue gerar um QR Code (mesmo que esteja sem internet) e enviar para o consumidor, para que este realize o pagamento online. 

Além disso, o Banco Central estuda a possibilidade da realização do pagamento offline, com o recebimento ocorrendo de forma online. A tendência é que o Banco Central trabalhe cada vez mais em atualizações que beneficiem os usuários e consolidem essa transformação digital da cidade também no campo.

Já conhece o Estadão Summit Agro? Saiba o que rolou na última edição do evento

Fonte: Novo Rural, Jornal Contabil.

O que achou?
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0

Canal Agro