Pecuária 4.0: bezerros podem ter sexo escolhido antes da inseminação

12 de novembro de 2020 4 mins. de leitura
Com a tecnologia na sexagem de sêmen, produtores podem escolher entre macho ou fêmea antes da inseminação

Quer impulsionar seus negócios? Se inscreva no Summit Agronegócio, evento que reúne os maiores especialistas em agro do País.

***

A tecnologia tem revolucionado diversos setores do agronegócio, favorecendo produtores agrícolas e pecuaristas. A sexagem de sêmen é um exemplo de inovação promissora que permite ao produtor escolher o sexo dos bezerros antes mesmo de realizar a inseminação ou qualquer outra técnica de reprodução.

Essa metodologia beneficia a produção viabilizando o planejamento assertivo de acordo com o objetivo comercial e tendência de mercado. Sendo assim, os pecuaristas podem escolher entre aumentar o rebanho com foco em vacas para a produção de leite ou em bois para a produção de carne.

No caso do gado de corte, os produtores podem ainda ajustar características genéticas desejáveis, como usar material genético de touros com maior capacidade de conversão alimentar e crescimento. Já no gado leiteiro, é possível aplicar o melhoramento genético junto à sexagem de sêmen para gerar fêmeas mais produtivas e destinadas para a reposição do rebanho.

Bezerro marrom e branco com orelhas em pé
(Fonte: Shutterstock)

Como é feita a sexagem de sêmen antes da inseminação

A técnica de sexagem de sêmen foi trazida para o Brasil através da ABS Pecplan, em parceria com a Goyaike, uma empresa argentina que tem expertise em biotecnologia focada na reprodução animal. Essa metodologia é realizada através da separação de células via citometria de fluxo, feita por um equipamento que permite a separação dos espermatozoides que gerarão animais machos ou fêmeas.

O equipamento utilizado possui alta tecnologia e viabiliza essa separação sem danificar a estrutura celular e com alto rendimento, preservando as taxas de sucesso na inseminação e podendo analisar de 3 mil a 4 mil espermatozoides por segundo. Após a avaliação do conteúdo, a empresa realiza uma nova seleção para disponibilizar ao mercado apenas aqueles que estiverem de acordo com os padrões de qualidade e segurança.

Desse modo, os produtores podem adquirir o conteúdo genético com a tranquilidade de que a capacidade de fertilidade não foi comprometida. Em relação à assertividade entre a geração de machos ou fêmeas, a empresa responsável pela sexagem garante ao menos 85% de pureza no material.

Com esses dados, os pecuaristas conseguirão destinar melhor a sua produção, com um planejamento mais preciso de acordo com o seu objetivo comercial. A sexagem de sêmen é uma tecnologia que aumenta as vantagens da inseminação e de outras técnicas de reprodução, melhora a produtividade e permite a melhoria genética dos animais visando à rentabilidade e produtividade do rebanho.

Bezerros preto e branco ao lado da vaca no pasto
(Fonte: Shutterstock)

Mercado de sêmen sexado

As novidades da pecuária 4.0 e da agricultura digital têm fomentado todos os setores do agronegócio no Brasil, o que tem beneficiado os números e os resultados do segmento de maneira significativa. Técnicas como a agricultura e a pecuária de precisão estão ajudando produtores a aumentar a produtividade em um mesmo espaço, de maneira mais sustentável, com maior qualidade e redução de custos.

No mercado de sêmen sexado, a tendência também é o crescimento. No primeiro semestre de 2020 foram comercializadas 303.518 doses com média mensal de 50,5 mil doses, o que representa um crescimento de 57% em relação ao ano inteiro de 2019.

De acordo com especialistas do setor, é previsto um crescimento de mais de 30% nas vendas de sêmen sexado ainda neste ano.

Quer saber mais como aumentar a produtividade do rebanho por meio da tecnologia? Inscreva-se no Summit Agro, evento que reúne os maiores especialistas em agronegócio do Brasil. 

Fonte: Milkpoint, Freepik, Shutterstock.