Como está o mercado futuro do café próximo da colheita de 2020?

14 de abril de 2020 3 mins. de leitura
Crise provocada pelo coronavírus gera incerteza e preocupação no setor cafeeiro

A proximidade do início da colheita do café na safra 2020 está em um cenário de incertezas. A comercialização do grão foi afetada, como todo o setor agropecuário, pela crise provocada pelo novo coronavírus, mas os preços de contratos futuros negociados em Nova York indicam tendência de alta de preços para maio e julho.

O temor dos efeitos da covid-19 sobre a demanda, em especial no consumo fora de casa, pressionou os preços do grão para baixo. O mercado também sofreu pressões de baixa em consequência da fartura do abastecimento durante o restante do ano, uma vez que a safra brasileira de 2020/2021 coincide com a alta do ciclo produtivo bienal de Arábicas do País.

No entanto, as previsões de redução da produção e de alta do consumo, além da valorização do dólar em relação ao real, podem ajudar o produtor a obter melhores preços com a venda do café durante o período da colheita.

(Fonte: Shutterstock)

A Organização Internacional de Café (OIC) prevê uma produção de 168,86 milhões de sacas de 60 quilos na safra 2019/2020, com redução de 0,8% em relação ao ano cafeeiro anterior. O consumo mundial, segundo a organização, aumentará 0,7% em relação a 2018/2019 e alcançará 169,34 milhões de sacas. Com isso, haverá um déficit de 0,48 milhão de sacas no mercado mundial, o que pode favorecer o preço do grão.

Para estimar o nível de oferta e de demanda global, a OIC adota o conceito de comercialização da safra. Isso é necessário porque os países produtores de café têm calendários diferentes, exigindo encontrar parâmetros comuns para fazer um levantamento único dos dados no mundo todo.

A organização considera que a safra 2019/2020 foi iniciada em outubro de 2019 e se estenderá até setembro de 2020. No Brasil, a safra 2019/2020 foi iniciada em abril de 2019 e terminou em março de 2020.

Mercado futuro do café

(Fonte: Shutterstock)

Segundo relatório da OIC, na bolsa de futuros de Nova York a média de preços dos Arábicas caiu 8,9% em fevereiro de 2020, indo para 106,69 centavos de dólar por libra-peso. Na bolsa de futuros de Londres, a média de preços dos Robustas caiu 3,3%.

Durante março, os contratos futuros de Arábicas em Nova York para maio fecharam com alta no preço em dólar de 7,3%, em 119,55 centavos por libra-peso; para julho, subiram 6,2%, fechando em 120,35 centavos por libra-peso. Considerando os preços em real, devido à valorização da moeda norte-americana no período, a alta foi ainda mais expressiva. Os contratos a vencer em maio e julho subiram 25% em média.

Em Londres, os contratos futuros de Conilon apresentaram queda em março. Os contratos a vencer em maio tiveram retração de 7,5%, fechando em 128,30 centavos de dólar por quilo; em julho, de 6,1%, negociados a 130,20 centavos; em setembro, de 5,7%, com valor de fechamento de 132,10 centavos.

Se interessou pelo assunto? Aprenda mais com especialistas da área no Summit Agro. Enquanto isso, acompanhe as notícias mais relevantes do setor pelo blog. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fonte: Embrapa e Organização Internacional do Café (OIC).

Gostou? Compartilhe!