Qual é a importância da vigilância agropecuária?

Ações de vigilância agropecuária garantem saúde pública e promovem desenvolvimento econômico

Qual é a importância da vigilância agropecuária?
28/04/2020 • 3 min. de leitura

A vigilância agropecuária é um dos mecanismos mais importantes para a saúde pública e o desenvolvimento econômico do Brasil. Ela garante que ações sejam realizadas para evitar o ingresso e a disseminação tanto de pragas como de doenças que possam comprometer a saúde de animais, plantas e seres humanos.

Além de evitar a entrada de mercadorias com risco zoossanitário, fitossanitário ou sanitário para o agronegócio. A vigilância agropecuária também garante que os produtos brasileiros atendam às exigências de países importadores. Dessa forma, a atividade facilita e garante a exportação dos produtos brasileiros.

As ações de vigilância agropecuária foram reconhecidas como essenciais pelo Governo Federal durante a pandemia do novo coronavírus. A interrupção da atividade, em especial da vigilância agropecuária internacional, pode colocar em perigo a sobrevivência e a saúde da população.

Vigilância Agropecuária Internacional

O Brasil possui um sistema de Vigilância Agropecuária Internacional (Vigiagro) composto de 102 unidades técnicas em aduanas de interior, aeroportos, postos de fronteira, portos e unidades regionais. O Vigiagro atua tanto nas importações quanto nas exportações brasileiras.

(Fonte: Mapa/Divulgação)
(Fonte: Mapa/Divulgação)

O sistema é operado por auditores e técnicos de fiscalização agropecuários ligados ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). E também conta com a ajuda de cães.

O agronegócio brasileiro exportou US$ 96,79 bilhões em 2019, de acordo com informações do Mapa. Produtos como soja, milho, algodão, tabaco, frutas, café, carnes, pescados e madeira dependem direta e indiretamente da fiscalização realizada pelo Vigiagro para ser exportados.

As importações também passam por inspeções da vigilância agropecuária, que impedem a introdução de pragas e doenças no Brasil. Todo o tipo de material que possa oferecer risco sanitário é examinado, desde insumos até produtos industrializados.

A lista de mercadorias inspecionadas inclui sementes, mudas, fertilizantes, agroquímicos, material genético, medicamentos veterinários, animais vivos, pescados, frutas, produtos lácteos, bebidas, além de qualquer embalagem ou suporte de madeira.

Combate à febre aftosa

(Fonte: Governo do MT)
(Fonte: Governo do MT/Divulgação)

Um dos principais focos da vigilância agropecuária brasileira é o combate à febre aftosa. O Brasil não registra um caso desde 2006 e busca o controle da doença sem vacinação em um futuro próximo. Para tanto, as ações de defesa sanitária nas fronteiras com outros países são fundamentais para proteger o maior rebanho do mundo (com mais de 200 milhões de cabeças de gado).

O número de funcionários e unidades do Mapa não é o suficiente para cobrir toda a faixa de fronteira do país — cerca de 16 mil quilômetros que separam o Brasil de dez países diferentes. Por isso, em áreas não alfandegadas, a fiscalização precisa ser estabelecida em cooperação com outros órgãos federais e estaduais.

O sistema de vigilância agropecuária se estende por 588 municípios na faixa de fronteira, espalhados por 11 estados nas regiões Sul, Centro-Oeste e Norte do País.

O Mapa também conta com a Força Nacional do Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária, que pode ser convocada em situações de emergência sanitária ou fitossanitária. A Força atua com outras áreas do governo e instituições parceiras no controle de ocorrências epidemiológicas, de desastres ou na assistência aos rebanhos e às lavouras.

Se interessou pelo assunto? Aprenda mais com especialistas da área no Summit Agro. Enquanto isso, acompanhe as notícias mais relevantes do setor pelo blog. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fonte: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Embrapa e IBGE.