Vale a pena investir em confinamento no segundo semestre?

7 de setembro de 2021 3 mins. de leitura
Com o valor da arroba do boi gordo em alta, pecuaristas calculam se os custos para confinamento valem a pena

Conheça o mais relevante evento sobre agronegócio do País

Após o preço da arroba do boi gordo atingir R$ 321,90, o Brasil faturou US$ 1 bilhão com a exportação de carne bovina apenas no mês de julho de 2021, segundo levantamento da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec). O valor é 16,4% maior do que no mês anterior, mas 1,4% menor do que no ano passado. A China continua sendo a principal responsável pela demanda, com 91,14 toneladas importadas no mês que totalizaram US$ 525,5 milhões.

Custos para o confinamento estão em alta; (Fonte: RitaE/Pixabay/Reprodução).
Custos para o confinamento estão em alta; (Fonte: RitaE/Pixabay/Reprodução).

Mesmo com a demanda para exportação contribuindo para a alta do valor da arroba do boi gordo, pecuaristas enfrentam desafios para decidir o volume de animais para enviar ao confinamento — ou até se esse sistema vale a pena no momento. Isso porque os preços dos insumos continuam em alta, com a saca de milho de 60 kg ainda sendo negociada na casa de R$ 100.

Leia também:

Preço do café: qual é a previsão para o segundo semestre?

Aquecimento global pode inviabilizar agronegócio no Brasil

Reforma Tributária vai deixar o alimento mais caro

Como fica o mercado de confinados no segundo semestre?

Para entender o efeito dos aumentos na cadeia produtiva, o Projeto Campo Futuro da CNA/Senar, em parceria com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), lançou um estudo com a simulação de lucros dos confinados para o segundo semestre de 2021. 

Para o pecuarista que adquiriu o boi magro em julho e manteve o animal nesse sistema por 95 dias, o lucro estimado no segundo semestre de 2021 é de R$ 707,99/boi. No mesmo período do ano passado, com a saca de milho a R$ 46,24, a margem chegou a R$1.642,87/boi. 

Essa queda no lucro levou pecuaristas a questionarem se o confinamento é um bom investimento ou se seria mais rentável vender o boi magro e o milho, ou ainda estocar para o próximo ano. Segundo a zootecnista Camila Alves do Nascimento, gerente comercial do Software Gerente Boviplan, em casos em que o confinamento já está estruturado, o mais indicado é manter o plano. Para ela, mesmo que o valor do gado magro também esteja valorizado, a venda não deve alcançar o preço do bezerro, que já chega a R$ 3,5 mil em algumas regiões.

Relação de troca entre arroba e animal de reposição alcançou piores níveis históricos. (Fonte: Skylar/Pexels/Reprodução)
Relação de troca entre arroba e animal de reposição alcançou piores níveis históricos. (Fonte: Skylar/Pexels/Reprodução)

Relação de troca desfavorável

Outro estudo do Cepea mostra que em abril de 2021 a relação de troca entre arroba e animal de reposição chegou ao pior índice da série histórica, iniciada em 2000. No período, o pecuarista precisava desembolsar 9,89 arrobas para adquirir um animal de reposição. Por isso, mesmo com o alto valor do preço do boi, o momento é de precaução. 

Para fazer frente ao alto custo de produção, é preciso manter um nível altíssimo de eficiência; para isso, confinamentos de médio e pequeno portes podem procurar estruturas maiores — conhecidas como boiteis — nas quais se paga pela diária. No Sul do país, os preços elevados também levam a busca por cooperativas e associações para aumentar o poder de barganha na compra de insumos. 

Fonte: CNA Brasil, Feed Food, Portal DBO. 

Este conteúdo foi útil para você?

155020cookie-checkVale a pena investir em confinamento no segundo semestre?

Canal Agro