Milho: clima provoca perda produtiva nas lavouras

9 de novembro de 2020 3 mins. de leitura
Alta do dólar, oferta baixa e receio quanto às condições climáticas fez preço do milho disparar em outubro

Quer impulsionar seus negócios? Se inscreva no Summit Agronegócio, evento que reúne os maiores especialistas em agro do País.

***

O preço do milho disparou por 13 dias consecutivos nas duas primeiras semanas de outubro, alcançando a marca de R$ 70,72 por saca de 60 kg do grão. Os dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) demonstram que a cotação do produto em Campinas (SP) obteve alta de 11,14% em comparação com o mês anterior.

Entre as razões que acarretaram o grande aumento de preços estão: as constantes altas do dólar, a baixa disponibilidade do produto no mercado e o receio dos produtores rurais em relação à possibilidade de perda do potencial produtivo nas lavouras por conta das condições climáticas atuais.

Expectativas para as safras

Safras de milho no Sul do Brasil tem sido comprometidas pela estiagem e tempo seco na região. (Fonte: Shutterstock)
Safras de milho no Sul do Brasil tem sido comprometidas pela estiagem e tempo seco na região. (Fonte: Shutterstock)

Até o dia 15 de outubro a área das safras de milho plantada passou de 39% para 44%, conforme as informações da consultoria AgRural. Entretanto, a região Sul do Brasil, uma das principais cultivadoras do grão, ligou o estado de alerta para uma possível perda de potencial produtivo para os próximos meses.

Nos estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, os produtores acreditam que o tempo seco causado pela estiagem na região, que afetou as lavouras, deve provocar danos ainda maiores nas áreas semeadas no início do segundo semestre de 2020.

Segundo a estimativa feita pelo levantamento da Safras & Mercado no início do ano, o plantio de milho verão 2020/2021 deve alcançar o número de 3,8 milhões de hectares. Vale ressaltar que o milho é a segunda maior cultura na produção agrícola do Brasil, perdendo em área de plantio apenas para a soja.

Influência da alta do dólar

Constante alta do dólar frente ao real gerou aumento generalizado de preços de produtos agrícolas. (Fonte: Shutterstock)
Constante alta do dólar frente ao real gerou aumento generalizado de preços de produtos agrícolas. (Fonte: Shutterstock)

Os aumentos em sequência da moeda americana frente ao real têm gerado certa preocupação dentro do mercado interno brasileiro. Isso porque, como o milho é um grão de grande potencial de exportação, a escassez do produto em território brasileiro acarreta um aumento de preços significativo para o consumidor nacional.

Entre janeiro e agosto de 2020, o dólar sofreu alta de 28,4% em comparação com a moeda brasileira, o que causou um crescimento de preços de praticamente todos os produtos agropecuários no mercado doméstico, segundo a análise da COGO Inteligência em Agronegócio.

A tendência é que, caso se concretize a perda de potencial produtivo para a próxima safra, as cifras continuem subindo e ultrapassem a marca atual de R$ 70,72 por saca de 60 kg.

Quer saber mais sobre o mercado do milho? Inscreva-se no Summit Agro, evento que reúne os principais especialistas do setor no Brasil.  

Fonte: Canal Rural, Revista Globo Rural, Canal Rural, MF Rural, Notícias Agrícolas.