Maçã: Santa Catarina espera colher 550 mil toneladas na safra 20/21

8 de abril de 2021 3 mins. de leitura
Maior produtor de maçã do Brasil, o Estado espera colher metade da produção nacional da fruta nesta safra

Notícias do campo

Conheça o mais relevante evento sobre agronegócio do País

Santa Catarina, o maior produtor nacional de maçã, espera colher 550 mil toneladas da fruta na safra 20/21, um resultado 17% superior ao período anterior, de acordo com informações da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri).

O Brasil produz em média R$ 7 bilhões por ano de maçã e emprega 45 mil pessoas na época de colheita. Santa Catarina espera colher metade da produção nacional e tem cerca de 3 mil produtores dedicados aos pomares. Somente em Fraiburgo, considerada a capital da maçã no Estado, foram gerados 1.706 empregos para a atual colheita.

A expectativa dos produtores é de uma safra com maçãs de excelente qualidade e de uma retomada da demanda internacional. O País exportou em torno de US$ 40 milhões da fruta no ano passado e os catarinenses responderam por US$ 16,5 milhões dos embarques que, em 2021, podem crescer 60%, segundo estimativa da Associação Brasileira de Produtores de Maçã (ABPM).

Maçã brasileira

A maçã é colhida manualmente, abrindo vagas de emprego temporárias nas zonas produtoras. (Fonte: Shutterstock/Fotomundo/Reprodução)
A maçã é colhida manualmente, abrindo vagas de emprego temporárias nas zonas produtoras. (Fonte: Shutterstock/Fotomundo/Reprodução)

As principais variedades produzidas nos pomares catarinenses são a gala, que representa 60% do total, e a fuji, com cerca de 40% de participação. Os dois tipos são cultivados de forma conjunta nos pomares, pois a macieiras somente conseguem dar frutos a partir da polinização cruzada — o pólen da fuji precisa polinizar a flor da gala e vice-versa.

A macieira fuji só consegue produzir a fruta com a coloração, formato e qualidade ideais acima de 1,2 mil metros do nível do mar. A região produtora catarinense abriga um dos pontos mais altos do País, com uma altitude média de 1.360 metros, e tem cerca de 800 horas de frio por ano. A variedade gala produz bem em altitudes de até 800 metros.

O Rio Grande do Sul é o segundo maior produtor nacional e responde por aproximadamente 46% da maçã brasileira. No Estado, a variedade gala responde por 70% dos pomares – concentrados no município de Vacaria –, enquanto 30% são da fuji.

Leia também:

Fruticultura: software gratuito ajuda a diagnosticar problemas nas culturas de morango, maçã e pêssego
Como funcionam os seguros para a produção de frutas?
Maçã: novas tecnologias ajudam na produção da agricultura familiar

Chuva de granizo prejudica qualidade da fruta

Chuva de granizo pode frustrar expectativas de produção de maçãs com alta qualidade. (Fonte: Arleia Costa/Reprodução)
Chuva de granizo pode frustrar expectativas de produção de maçãs com alta qualidade. (Fonte: Arleia Costa/Reprodução)

No início de março, uma tempestade de granizo afetou os pomares na região serrana catarinense. Em apenas 10 minutos, o fenômeno causou estragos que podem ter alcançado até 90% das maçãs e nem mesmo as telas de proteção dos pomares foram suficientes para conter o gelo.

Os danos não devem afetar o volume de produção, mas podem depreciar o valor da fruta, estimam os produtores. O preço da caixa de 350 quilos, que varia entre R$ 600 e R$ 700, pode chegar a R$ 100 com os estragos provocados. As frutas machucadas ficam sujeitas à entrada de fungos oportunistas que causam podridão.

Não perca nem um fato que acontece no agronegócio. Inscreva-se em nossa newsletter.

Fonte: Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri), NSC Total, Agrolink. 

Canal Agro