Gestão de dejetos: como a pecuária pode preservar a saúde do solo

2 de julho de 2020 3 mins. de leitura
Destinação correta de resíduos aproxima a sustentabilidade da produção de gado e pode aumentar lucratividade de pecuaristas
Quer impulsionar seus negócios? Se inscreva no Summit Agronegócio, evento que reúne os maiores especialistas em agro do País. *** O planejamento que envolve a gestão de dejetos em uma cadeia de produção de leite ou de carne pode ser a linha tênue que define o sucesso de um pecuarista. Ao encontrar a solução correta para o excesso de resíduos gerados pelo gado, o produtor pode diminuir percalços e elevar a produtividade de seu empreendimento. De acordo com o Plano Nacional de Resíduos Sólidos, o Brasil produz cerca de 800 milhões de toneladas de resíduos orgânicos por ano – com boa parte sendo proveniente das atividades do campo. Entre os benefícios de uma gestão adequada de resíduos, estão produção de adubo totalmente orgânico, aumento da saúde do solo e diminuição do surgimento de doenças no gado. Sendo assim, a precaução quanto ao manejo dos dejetos bovinos acaba somando o sustentável ao rentável.

Como rentabilizar a gestão de dejetos

Residuos orgânicos podem se transformar em matéria para energia sustentável (Fonte: Pixabay)
Resíduos orgânicos podem se transformar em matéria para energia sustentável. (Fonte: Pixabay)
Durante os ciclos de produção bovina, os pecuaristas irão se deparar com uma grande quantidade de dejetos orgânicos, como a urina, o esterco e os restos de alimentação. Tudo isso pode servir de fonte para a criação de dois recursos importantes para a atividade pecuária: energia e fertilizante.

Fonte sustentável de energia

O lixo orgânico, em grande escala, pode se transformar em uma fonte de energia elétrica renovável. O processo de decomposição da matéria gera o biogás, composto por metano e dióxido de carbono. Tanto o gás metano quanto o dióxido de carbono compõem o grupo de gases capazes de causar o efeito estufa quando são lançados na atmosfera. E é por isso que a criação de um sistema de drenagem desses gases pode surgir como uma solução para reduzir o impacto da atividade agrícola no meio ambiente e ainda convertê-lo em energia sustentável e agregadora.

Criação de biofertilizantes

Os dejetos bovinos também podem ser utilizados no processo de confecção de um biofertilizante, substituindo a adubação nitrogenada química – que gera um grande impacto econômico e ambiental nas cadeias de produção. Segundo os dados da Embrapa Gado de Leite, a aplicação de biofertilizantes auxilia na redução de 25% do consumo de insumos externos, como nitrogênio, fósforo e potássio. O recurso pode ser aplicado em todos os setores da produção agropecuária.

Cuidados com a saúde humana e do gado

Descaso com dejetos pode resultar na aparição de doenças no gado (Fonte: Pixabay)
Descaso com dejetos pode resultar no surgimento de doenças no gado. (Fonte: Pixabay)
Em casos de descuido com o trato dos resíduos, é possível que os animais sejam acometidos por doenças de casco ou mastite. Animais infectados podem sofrer desvalorização e até mesmo infectar seres humanos. Quer ficar por dentro das novidades do agro? O Summit Agronegócio reúne especialistas e autoridades para discutir os temas mais relevantes do setor, como sustentabilidade, fruticultura, seguros, SIF, agroquímicos e abastecimento. Faça parte da evolução do agro e participe do evento mais completo do setor. Para saber mais, é só clicar aqui! Fonte: Âmbito Jurídico, Ministério da Agricultura (Mapa), SINIR, Educapoint e Fórum de Sustentabilidade.
Gostou? Compartilhe!