Fundos privados ampliam oferta de recursos para o agronegócio

19 de abril de 2021 4 mins. de leitura
Projeto de lei aprovado no Congresso Nacional pode injetar R$ 1 bilhão em financiamento para o agronegócio a partir de fundos privados

Conheça o mais relevante evento sobre agronegócio do País

Um projeto de lei (PL) aprovado pelo Congresso Nacional permite a criação de fundos privados no mercado de capitais para financiar o agronegócio. A proposta cria os Fundos de Investimento nas Cadeias Produtivas Agroindustriais (Fiagro) e atende à reivindicação de entidades agropecuárias pela expansão do crédito ao setor.

Ao permitir a captação de recursos para investimentos em terras e na atividade agroindustrial, a proposta tem o potencial de movimentar R$ 1 bilhão em crédito agropecuário em apenas seis meses, de acordo com o senador Carlos Fávaro (PSD-MT). 

As normas do Fiagro têm inspiração na regulamentação dos Fundos de Investimento Imobiliário (FII). Entretanto, houve uma expansão do escopo de investimentos e aprimoramentos para torná-lo flexível e atrativo.

Os recursos do Fiagro podem ser utilizados para investimento em:

  • imóveis rurais;
  • empresas rurais não incluídas na Bolsa;
  • participação em sociedades que explorem atividades integrantes da cadeia produtiva agroindustrial.

Os fundos também poderão adquirir direitos creditórios — garantias vinculadas a créditos a receber, como parcelas do cartão de crédito, duplicatas ou cheques — e títulos de securitização emitidos com lastro em direitos creditórios do agronegócio ou em imóveis rurais.

Crédito para o agronegócio

Crédito agropecuário tem crescido nesta safra. (Fonte: Shutterstock/Andre Nery/Reprodução)
Crédito agropecuário tem crescido nesta safra. (Fonte: Shutterstock/Andre Nery/Reprodução)

A Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) calcula que o setor tem uma demanda de crédito que supera R$ 750 bilhões por safra. Contudo, o crédito oferecido com apoio do governo chega a apenas um terço do necessário, R$ 250 bilhões de forma concentrada no pequeno agricultor e na agricultura familiar.

De julho de 2020 a fevereiro de 2021, o crédito rural oferecido pelo governo ultrapassou R$ 147,57 bilhões, de acordo com o Balanço de Financiamento Agropecuário da Safra 2020/2021, elaborado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). O número representa um crescimento de 18% em comparação com o mesmo período da safra anterior. 

O financiamento para custeio alcançou R$ 78,6 bilhões e foi a principal modalidade de contratação, seguida por investimentos com R$ 47,33 bilhões, a comercialização com R$ 13,34 bilhões e a industrialização com R$ 8,2 bilhões liberados.

Leia também:

Fundos públicos para o agronegócio são mantidos pelos deputados
Oferta de crédito estável é fundamental para o setor de máquinas agrícolas
Nova forma de financiamento dinamiza crédito rural

Investimento para cadeia de insumos da soja

Rodrigo Marques e Bernardo Fabiani, executivos da TerraMagna, esperam oferecer até R$ 500 milhões em crédito no ano de 2021 a partir de fundos privados. (Fonte: TerraMagna/Divulgação)
Rodrigo Marques e Bernardo Fabiani, executivos da TerraMagna, esperam oferecer até R$ 500 milhões em crédito no ano de 2021 a partir de fundos privados. (Fonte: TerraMagna/Divulgação)

O Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Agro SGT (FIDC Agro SGT), mantido por TerraMagna, Sparte e Grano Capital, está oferecendo R$ 48 milhões para financiar distribuidores de insumos ligados à cadeia produtiva da soja. 

Os recursos são ofertados por meio da antecipação das Cédulas de Produto Rural (CPRs), documento que é emitido pelos produtores rurais nas operações Barter — uma forma de pagar os insumos com o grão após a colheita e sem intermediação financeira.

“A operação alimenta diretamente o motor do nosso país, o agronegócio. Distribuidores terão a oportunidade de ter dinheiro à vista em caixa, sair do risco da operação de Barter, além de aumentar suas vendas e conseguir descontos na compra de insumos”, contou Bernardo Fabiani, diretor-executivo da startup de crédito TerraMagna. 

Em 2020, a empresa chegou a movimentar mais de R$ 53 milhões com o serviço de antecipação. Para 2021, espera ampliar a modalidade e oferecer até R$ 500 milhões em crédito. 

Não perca nem um fato que acontece no agronegócio. Inscreva-se em nossa newsletter.

Fonte: Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), Senado Federal, Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento (Mapa). 

Este conteúdo foi útil para você?

140760cookie-checkFundos privados ampliam oferta de recursos para o agronegócio

Canal Agro