Entenda a relação entre a produção de café e as chuvas de outubro

3 de novembro de 2020 3 mins. de leitura
Planta demanda água no seu desenvolvimento, razão pela qual o clima afeta o setor produtivo

Quer impulsionar seus negócios? Se inscreva no Summit Agronegócio, evento que reúne os maiores especialistas em agro do País.

***

Você já deve ter ouvido que o bater de asas de uma borboleta pode produzir mudanças do outro lado do mundo. A frase tem caráter poético, mas, no caso do agronegócio, parece ser verdadeira: basta a expectativa de chuva no Sudeste brasileiro para que o preço do café na Bolsa de Nova York oscile.

Isso ocorre porque a cultura do café depende de chuva para a maturação correta, e o último período foi marcado por seca e temperaturas elevadas. A ausência de água na medida ideal pode comprometer e atrasar o desenvolvimento da planta e, portanto, trazer perdas ao agronegócio. 

Seca pode atrasar o desenvolvimento da safra cafeeira. (Fonte: Shutterstock)
Seca pode atrasar o desenvolvimento da safra cafeeira. (Fonte: Shutterstock)

Mais do que um problema para os produtores, essa é uma questão que pode impactar a balança comercial brasileira de forma ampla: a expectativa da Companhia Nacional de Abastecimento é que a safra de café do país ultrapasse as 62 milhões de sacas. 

Outros países produtores de café, porém, podem ter ótimas safras em razão de um clima mais amistoso à cafeicultura, com temperaturas amenas e maior oferta de água. Assim como o Brasil passou por semanas de seca intensa, a produção nacional pode perder competitividade.

Essa é uma preocupação especial durante o período da pandemia porque cafeterias especializadas, que demandam grãos especiais dentro e fora do Brasil, estiveram fechados por razões sanitárias. Isso fez com que o produtor dependa especialmente do café comum. 

Leia também: Produção de café no Brasil deve crescer 40% até 2029

Outro fator a ser considerado é que o preço do grão sofre o impacto da oscilação natural que o café apresenta: as safras da modalidade arábica se intercalam em ciclos bienais, em que um ano a produtividade é maior do que no outro. Em 2020, trata-se da alta na produção, o que pode causar o achatamento dos preços causados pela oferta abundante.

Tecnologia

A cafeicultura está entre os setores que mais consomem água na produção. (Fonte: Shutterstock)
A cafeicultura está entre os setores que mais consomem água na produção. (Fonte: Shutterstock)

Um olho no céu, outro na ciência: esse é o lema de cafeicultores que precisam criar soluções diante da estiagem e diminuir o estresse hídrico das plantas, que pode comprometer o ciclo de vida dos pés e a qualidade do grão.

Um exemplo de inovação que otimiza o uso de água nessa cultura é o Sistema para Limpeza de Águas Residuárias (SLAR), que remove resíduos sólidos da água usada na irrigação e permite sua reintrodução no ciclo. A cada quatro litros de água usados, três podem ser reutilizados.

Leia também: Funcafé: entenda como funciona esse auxílio aos produtores

Além da economia financeira, essa tecnologia permite uma produção mais sustentável, que pode agregar valor na venda do produto.

Quer saber mais sobre como o clima pode impactar na plantação de café? Inscreva-se no Summit Agro, evento que reúne os maiores especialistas do setor no Brasil. 

Fonte: Embrapa, Summit Agro, Shutterstock.