Cultivo com sustentabilidade eleva o preço do café

27 de abril de 2020 5 mins. de leitura
Café com certificação de sustentabilidade vem crescendo no Brasil e tem preço médio 12% maior

O Brasil produziu 49,31 milhões de sacas de 60 quilos de café em 2019, de acordo com estimativa da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Destas, 40,6 milhões foram exportadas para 128 países com preço médio de US$ 125,49 por saca, de acordo com dados do Conselho de Exportadores de Café do Brasil (Cecafé).

Os cafés com certificação de sustentabilidade tiveram 7,5 milhões de sacas vendidas para o exterior a um preço médio de US$ 159,19, valor aproximadamente 12% superior ao grão sem diferenciação. Esses números vêm despertando o interesse dos cafeicultores brasileiros pela produção sustentável, e a Conab observa uma tendência de investimento mais expressivo nos parâmetros de qualidade e nas certificações relacionadas à produção nesses moldes.

Vantagens de um cultivo sustentável

A melhor rentabilidade é conseguida por meio de práticas sustentáveis que resultam em um grão de maior qualidade. Com isso, aumenta-se o valor agregado do produto, proporcionando maior renda para o produtor. A aplicação de boas práticas também reduz o desperdício, melhora a gestão da propriedade, economiza insumos e capacita melhor os agricultores, garantindo aumento da segurança no trabalho.

Além disso, a sustentabilidade na produção gera benefícios para o meio ambiente, preservando solo e água da propriedade, e para o consumidor final, que recebe uma bebida de melhor qualidade.

Sustentabilidade na produção de café

(Fonte: Shutterstock)

Uma produção sustentável, em qualquer área, deve se preocupar com todo o ciclo produtivo do qual faz parte — e com o café não é diferente. O produtor tem de estar atento à valorização da comunidade e aos impactos da sua produção no meio ambiente, para alcançar melhor posicionamento no mercado.

Os custos de implantação do sistema sustentável, porém, podem representar uma dificuldade para o cafeicultor. Para ser considerada sustentável, a produção cafeeira precisa seguir uma série de recomendações para plantio, cuidados com lavoura, colheita, armazenamento e torrefação.

No entanto, o grão cultivado desse modo garante maior valor agregado, sustentado por uma demanda crescente por cafés diferenciados em todo o mundo. Isso gera um retorno sobre investimento relativamente rápido e oferece maiores ganhos ao produtor.

Currículo de Sustentabilidade do Café

Entidades que prestam Serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural dos principais estados cafeicultores elaboraram o Currículo de Sustentabilidade do Café (CSC), para orientar produtores na aplicação de práticas sustentáveis na produção do grão. O CSC indica o que pode ser feito e o que deve ser evitado, com condutas divididas em 11 áreas temáticas, que englobam aspectos sociais, ambientais e econômicos.

O documento recomenda, por exemplo, um levantamento atualizado dos lotes de café produzidos e o acompanhamento das etapas até a pós-colheita, permitindo rastrear o talhão de origem até seu destino após a comercialização. Essa medida, em especial, é fundamental para garantir o certificado de sustentabilidade da produção.

Certificação de sustentabilidade do café

(Fonte: Shutterstock)

Para alcançar melhores valores no mercado do café sustentável, o cafeicultor deve garantir a certificação da produção. Existem diversos órgãos que emitem os certificados de sustentabilidade, como a Associação Brasileira da Indústria do Café (Abic) e o Cecafé.

Selo da Abic

A Abic fornece um selo por meio do Programa Cafés Sustentáveis do Brasil. Após preencher o termo de adesão, o produtor recebe orientações sobre as etapas de produção sustentável e um prazo para se adequar às normas.

Depois de cumprir as primeiras exigências, a Abic fiscaliza se a propriedade segue toda a regulamentação de sustentabilidade, desde a infraestrutura da propriedade até os processos de compra, armazenamento, blendagem, torração, moagem, embalagem e expedição.

A organização também verifica o controle de pragas e a gestão de pessoas, saúde, segurança e meio ambiente. Caso o produtor alcance o padrão sustentável, recebe o selo referente.

Selo do Cecafé

O Cecafé acredita que, de maneira geral, os produtores já adotam as práticas sustentáveis e que o selo é uma maneira de reconhecer esse trabalho. A entidade emite, em parceria com a Organização Internacional do Café (OIC), o Selo de Sustentabilidade do Café Brasileiro, para promover a produção dos seus associados no mercado internacional.

Se interessou pelo assunto? Aprenda mais com especialistas da área no Summit Agro. Enquanto isso, acompanhe as notícias mais relevantes do setor pelo blog. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fonte: Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé), Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC) e The Global Coffee Platform.

Gostou? Compartilhe!