4 dicas para agregar valor aos produtos agrícolas

29 de setembro de 2020 4 mins. de leitura
Analisar o mercado e apostar em boas estratégias de marketing são pontos importantes para ampliar seu leque de produtos com valor agregado

Quer impulsionar seus negócios? Se inscreva no Summit Agronegócio, evento que reúne os maiores especialistas em agro do País.

***

Um levantamento do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado do Paraná (Crea-PR) mostra que, dependendo da cultura, o produtor rural que oferece matéria-prima para a fabricação de itens industrializados pode ficar com menos de 5% do valor final dos produtos. 

Junto à competitividade do mercado, que é cada vez maior, esse tipo de impasse é um dos motivos que têm levado muitos produtores a buscar soluções para agregar valor aos seus produtos. 

Uma das formas de fazer isso é ingressando na agroindústria e oferecendo itens que vão além daqueles in natura. Variando seu catálogo e sua cartela de clientes, é possível ganhar mais dinheiro e garantir relativa estabilidade comercial. 

Não é difícil entender, portanto, por que razão a estratégia de agregar valor ao produto agrícola é uma saída tão crescente. Confira 4 dicas para aderir a essa solução e garantir maior rentabilidade. 

1. Estude o mercado

Mapear os nichos em ascensão é fundamental para apostar no mercado certo. Entenda também o perfil do seu potencial cliente, como ele gosta de ser atendido e o que ele mais valoriza no item que você deseja fornecer. 

Além disso, conheça seus concorrentes, entenda bem as estratégias de marketing de cada um deles e pontue seus diferenciais para valorizá-los. O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) costuma oferecer vários cursos e palestras que ajudam nessa empreitada. Não deixe de recorrer a esse tipo de aparato especializado. 

2. Invista no marketing

Seus novos produtos precisam estar bem embalados, seguros, limpos e com informações corretas no rótulo. Mas, para além desses cuidados básicos, é preciso apostar no marketing. 

Crie uma marca, pense a identidade dos seus itens com foco no público-alvo e utilize as mídias sociais para divulgá-los. Outra boa dica indicada em um artigo recente publicado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) é promover ações em supermercados para mostrar seu trabalho.

Selos de qualidade também são bem-vindos nesse processo. Busque inserir selos e certificações nos rótulos. Isso dá bastante credibilidade ao que você vende. 

3. Explore as tendências

pessoa segurando nabo
A busca por produtos orgânicos e naturais é cada vez mais crescente, oportunizando um amplo nicho de mercado. (Fonte: Shutterstock)

Há uma crescente busca de produtos sem aditivos químicos em todo o Brasil. Os produtos orgânicos e naturais têm sido cada vez mais requisitados nos supermercados, e algumas lojas oferecem até gôndolas especiais desse tipo de item. 

Portanto, essa é uma boa hora para o produtor que quer ampliar seu catálogo de produtos investindo em propostas de alimentos mais saudáveis. Como já mencionado, é fundamental fazer uma análise do mercado, mas tão importante quanto esse mapeamento é saber se beneficiar das tendências vigentes. 

4. Faça parcerias

Buscar parceiros para ganhar em escala é uma boa estratégia na agregação de valor aos produtos agrícolas. (Fonte: Shutterstock)

Já diz o ditado que uma andorinha só não faz verão. Então, você precisa ter parceiros para fazer seus produtos se destacarem no mercado. Se possível, busque estabelecer parcerias com associações regionais.

Se for possível, vale a pena considerar a vinculação a cooperativas. Alinhar a produção com outros produtores que lhe são próximos também é uma boa estratégia para ganhar em escala. Assim, é mais fácil beneficiar produtos, agregar valor e ganhar mercado — além, é claro, da estabilidade que esse tipo de organização oferece aos cooperados.

Quer saber mais como incrementar a renda a partir de produtos agrícolas? Participe do Summit Agro, evento que reúne os maiores especialistas em agronegócio do País. 

Fonte: AGROTOPUS e Embrapa.

Gostou? Compartilhe!