Conheça o evento

A importância da eficiência logística na distribuição de grãos

Setor de logística do agronegócio deve movimentar mais de 251 milhões de toneladas de grãos para portos e centros consumidores na safra 2020

A importância da eficiência logística na distribuição de grãos
14/04/2020 • 3 min. de leitura

A agricultura brasileira se transformou radicalmente nas últimas décadas, com aumento da área de plantio e melhoria na produtividade média. A colheita de grãos saltou de 38 milhões de toneladas em 1975 para 236 milhões em 2017. Na safra 2020, o setor logístico deve transportar mais de 251 milhões de toneladas de grãos.

Os principais centros produtivos do Brasil se localizam no interior do continente, longe dos polos consumidores e dos portos exportadores. O coCEO da Sotran Logística, Charlie Conner, comenta que "é mais caro transportar a soja de Mato Grosso até o porto que do porto brasileiro para a barriga do porco na China".

O custo com a logística da soja, para seguir o exemplo, representa entre 6% e 15% do valor final do produto, a depender da rota utilizada. O transporte rodoviário representa o segundo maior custo, ficando atrás somente das despesas de produção do grão, afirma o executivo.

A Sotran é uma das maiores transportadoras digitais de cargas do Brasil e tem uma plataforma que conecta cerca de 200 mil motoristas do agronegócio a 900 empresas proprietárias de carga, entre elas gigantes como Cargill, JBS e Bunge.

O cenário mostra que a distribuição eficiente dos produtos é imprescindível para a competitividade e a consolidação da agricultura brasileira em âmbito internacional.

Perfil da logística brasileira

(Fonte: Shutterstock)

Conner calcula que cerca de 65% do transporte de grãos do Brasil são realizados por caminhões. O executivo observa que a malha ferroviária nacional ainda tem pouca capilaridade, enquanto o transporte hidroviário é recente e concentrado no norte do País.

O mercado de transporte rodoviário brasileiro movimenta R$ 400 bilhões por ano, calcula o empresário, e a distribuição de grãos é responsável por 10% desse valor, segundo ele. Para se ter uma ideia, somente a Sotran movimentou 12,7 milhões de toneladas de carga como soja, milho, açúcar, trigo e fertilizantes em 2019.

O executivo estima que existem cerca de dois milhões de caminhoneiros nas estradas brasileiras; destes, 500 mil se dedicam ao agronegócio.

Modelo ineficiente

(Fonte: Shutterstock)

Historicamente, a logística é feita de forma caseira, em um mercado que foi rústico por muito tempo, observa Conner. E, para ele, o modelo de distribuição dominante no setor de transportes do agronegócio é ineficiente. "O mercado é dominado por um grande número de empresas familiares, com baixo profissionalismo, pouco capital e zero tecnologia", observa o coCEO. Nesse modelo, a conexão entre as partes, desde o campo até o cliente final, é quase totalmente presencial e manual.

A maioria dos motoristas precisa parar em postos para pegar carga. Os profissionais esperam em filas a demanda das transportadoras ou têm de negociar o frete pessoalmente com vários fornecedores. Após a contratação do serviço, o caminhoneiro precisa carregar uma série de documentos durante a viagem, entre eles a carta-frete, que é a garantia de pagamento e pode ser trocada por dinheiro ou diesel nos postos de combustível.

Para Conner, o Brasil apresenta melhoria na infraestrutura logística, alavancada pela eficiência em portos e ferrovias, no entanto, o setor ainda enfrenta gargalos com a regulação que exige, por exemplo, um documento fiscal em papel, e com a burocracia administrativa entre as empresas.

Inovações tecnológicas aumentam eficiência

O executivo acredita que a indústria logística está reagindo à ineficiência do setor e investindo em mais tecnologia para reduzir a quantidade de papéis. O governo também procura parceiros para juntar todos os documentos que o motorista precisa carregar em um único modelo digital.

A tecnologia permite a eliminação de parte da burocracia envolvida na logística, tornando o processo mais ágil e com maior controle dos trâmites logísticos, possibilitando, inclusive,  acompanhar a localização da carga em tempo real.

A digitalização dos processos também proporciona redução de custos quando aplicada em escala e gera benefícios para toda a cadeia, aumentando a competitividade do setor agrícola brasileiro. O motorista pode realizar o transporte de forma mais prática, ganhando mais tempo, e o produtor pode melhorar a margem de lucro, mantendo os preços.

Se interessou pelo assunto? Aprenda mais com especialistas da área no Summit Agro. Enquanto isso, acompanhe as notícias mais relevantes do setor pelo blog. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fonte: Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e Embrapa.