Melão: aumento das exportações gera oportunidade aos produtores

10 de junho de 2020 3 mins. de leitura
Abertura do mercado de melão na China pode fazer dobrarem as exportações da fruta

Quer impulsionar seus negócios? Se inscreva no Summit Agronegócio, evento que reúne os maiores especialistas em agro do País.

***

Segundo relatório divulgado pela Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), o Brasil abriu 48 mercados agrícolas para exportações em 21 países de janeiro de 2019 a março de 2020. Entre os acordos comerciais conquistados no período, um dos mais importantes foi a autorização das exportações de melão para a China.

Trata-se do primeiro acordo para o comércio de frutas frescas entre os países. Com a possibilidade de que outros frutos sejam comercializados, o agronegócio brasileiro pode ter acesso a um mercado gigantesco: a China importou em torno de US$ 7 bilhões em frutas frescas apenas em 2018.

China é o maior consumidor de melão no mundo (Fonte: Pexels)
China é o maior consumidor de melão do mundo. (Fonte: Pexels)

Melão: um mercado em ascensão

Mesmo que o comércio de frutas entre Brasil e China continue restrito ao melão, já se trata de um grande acordo, pois o país asiático é o maior consumidor dessa fruta: cerca de 15 milhões de toneladas em 2018, mais da metade do consumo de todo o mundo. Dessa maneira, se o País conquistar apenas 1% do mercado chinês, as exportações de melão podem dobrar, segundo projeções do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa).

De acordo com informações divulgadas pela Agência Brasil, os produtores nacionais venderam 200 mil toneladas de melão para o exterior em 2018. Os principais clientes estão localizados no hemisfério norte (Estados Unidos, União Europeia e China), uma vez que a safra no Brasil ocorre justamente durante a entressafra nessa região. O principal polo nacional produtor de melão é a Região Nordeste, com quase 14 mil hectares de área cultivada, segundo o último Censo Agropecuário do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O nordeste, em especial o semiárido do Rio Grande do Norte, Ceará, da Bahia e de Pernambuco, destaca-se porque oferece as temperaturas elevadas e a alta incidência de sol ideais para o cultivo do melão. Com essas condições, as plantas conseguem ter alta produtividade e são muito doces.

Melão é interessante para outras regiões

Embora o nordeste tenha as condições ideais para a produção natural de melão, experiências realizadas pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) mostram que é possível cultivar a planta em outras regiões do Brasil com sistemas protegidos. Com estufas ou casas de vegetação, pode-se garantir as exigências para o desenvolvimento do meloeiro tanto quanto a céu aberto.

É possível cultivar melões em estufas (Fonte: Embrapa/Reprodução)
É possível cultivar melões em estufas. (Fonte: Embrapa/Reprodução)

Na verdade, o cultivo protegido pode apresentar produtividade e qualidade superiores à produção aberta, uma vez que permite controlar com exatidão fatores como quantidade de água e temperatura, além de manter as plantas protegidas de chuvas, ataques de pragas e outros males.

Quer ficar por dentro das novidades sobre exportações no agronegócio? O Summit Agronegócio reúne especialistas e autoridades para discutir os temas mais relevantes do setor, como impacto do aumento do dólar e da pandemia nos preços, demandas e expectativas, além de selos necessários. Faça parte da evolução do agro e participe do evento mais completo do setor. Para saber mais, é só clicar aqui!

Fonte: Embrapa, Agência Brasil, Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) e Estadão.

Gostou? Compartilhe!