Exportações do agronegócio crescem 17% no início de 2020

29 de maio de 2020 4 mins. de leitura
Alavancado pelo crescimento de vendas para os chineses, setor observa cenário positivo nos primeiros quatro meses da pandemia do novo coronavírus

Quer impulsionar seus negócios? Se inscreva no Summit Agronegócio, evento que reúne os maiores especialistas em agro do País.

***

O último relatório do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) registrou bons números para o agronegócio brasileiro nos primeiros quatro meses de 2020. As exportações da agropecuária tiveram crescimento de 17,5% comparado ao mesmo período de 2019.

Com isso, o agronegócio, que tinha participação de 18,7% na balança comercial do Brasil em 2019, passou a representar 22,9% da economia brasileira neste ano. Os dados do Ministério da Economia demonstram que as exportações brasileiras ultrapassaram a marca de US$ 18,312 bilhões no mês de abril.

Saiba sobre: Agronegócio garante abastecimento de grãos, apesar do coronavírus

A importância do mercado asiático

Em meio a pandemia, China passa a importar mais produtos brasileiros (Fonte: Pixabay)
Em meio a pandemia, China passa a importar mais produtos brasileiros. (Fonte: Pixabay)

Muito do sucesso das exportações do Brasil nesta época do ano se devem à participação do mercado asiático nas compras de produtos brasileiros. De acordo com o Mapa, as vendas para a Ásia subiram 15,5% nos primeiros quatro meses do ano — com destaque para a parceria comercial com a China.

Durante a crise causada pela covid-19, o mercado asiático passou a representar 47,2% das exportações nacionais. Apesar do período de recessão econômica mundial, alguns dos produtos brasileiros alcançaram índices históricos em suas vendas, como é o caso da soja e da carne nacional.

Soja: Mercado do produto deve bater recorde em 2020

Em abril, o volume de soja exportada atingiu 16,3 milhões de toneladas, enquanto a carne bovina fresca, refrigerada ou congelada vendeu 116 mil toneladas. Por outro lado, algumas commodities foram impactadas pela epidemia do vírus — trigo, centeio, café não torrado, frutas e nozes são alguns dos exemplos com queda nos números de venda nos quatro primeiros meses de 2020.

Leia mais: Como o coronavírus impacta as exportações de carne

Mesmo sendo o primeiro país a ser afetado pelo novo coronavírus, a China manteve uma boa participação no comércio de produtos brasileiros. Durante esse período, as importações chinesas cresceram 11,3%. O destaque fica para a compra das carnes bovina e suína, com aumento de 85,9% e 153,5% em comparação com 2019.

Nas cifras em dólares, a China foi responsável por importar três vezes mais produtos brasileiros do que os Estados Unidos e duas vezes mais do que a União Europeia — dois dos maiores parceiros comerciais do Brasil.

Queda nos preços das commodities

Preço mundial de cereais teve queda nos primeiros meses de 2020 (Fonte: Pixabay)
Preço mundial de cereais teve queda nos primeiros meses de 2020. (Fonte: Pixabay)

As últimas informações da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO, em inglês) dão conta de uma queda generalizada nos preços mundiais de alimentos. Em abril, o braço das Nações Unidas identificou a terceira queda consecutiva em nível mundial no ramo do agronegócio, causado pela pandemia do novo coronavírus.

Mensalmente, a FAO realiza um índice relativo ao valor de uma cesta básica com cereais, oleaginosos, laticínios, carne e açúcar. A média de 165,5 pontos atingida em abril significou uma queda de 3,4% em comparação com os valores do mês de março.

A queda na demanda de cana-de-açúcar para a produção de etanol fez com que o preço do açúcar despencasse para seu pior valor nos últimos 13 anos. O produto teve redução de 14,6% no índice da FAO em relação ao terceiro mês do ano.

Apesar da queda de 2,7% nas análises do órgão, o preço da carne conseguiu uma recuperação parcial após o aumento da demanda da China em importação do produto. Segundo a FAO, a pandemia fez com que as vendas em outras regiões do mundo tivessem uma redução significativa e que produtores sofressem problemas de logística causados pelos lockdowns em diversas nações.

Quer ficar por dentro das novidades sobre exportações no agronegócio? O Summit Agronegócio reúne especialistas e autoridades para discutir os temas mais relevantes do setor, como impacto do aumento do dólar e da pandemia nos preços, demandas e expectativas, além de selos necessários. Faça parte da evolução do agro e participe do evento mais completo do setor. Para saber mais, é só clicar aqui!

Fonte: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Reuters e Summit Agro.

Gostou? Compartilhe!