China antecipa compra de soja brasileira

27 de abril de 2020 3 mins. de leitura
Mesmo com o novo coronavírus, China se mantém como um dos principais parceiros comerciais do País

Em meio à pandemia de covid-19, que diminui o ritmo econômico do mundo todo, o comércio entre a China e a América do Sul continua aquecido, impulsionado principalmente pela exportação da soja brasileira. Apesar de o país asiático ter negociado anteriormente a compra do produto com os Estados Unidos, a Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja) não prevê diminuição do consumo chinês.

https://pixabay.com/pt/photos/combinar-colheita-de-soja-pôr-do-sol-2927854/
(Fonte: Pixabay)

Segundo dados da consultoria independente Datagro, embora as exportações brasileiras gerais tenham caído 17,2% nos dois primeiros meses de 2020 em comparação com o mesmo período do ano anterior, os envios de soja cresceram 14,2% nesse meio tempo, mesmo com os impactos do novo coronavírus.

Economistas e comerciantes de todo o mundo estão enfrentando um cenário novo, que gera uma grande dificuldade em apresentar expectativas comerciais precisas em curto prazo. Mesmo assim, a consultoria aponta que a China deve manter o comportamento que apresentou até o início de março e garantir a negociação dos principais produtos agrícolas que já estão em andamento, como é o caso da soja.

Segundo a Aprosoja, em comunicado oficial divulgado em nome de seu presidente, Bartolomeu Braz Pereira, a expectativa é a manutenção das negociações mesmo em meio a uma incerteza mercadológica, marcada pelo receio do país asiático quanto à segurança alimentar do grão brasileiro.

Mantendo as expectativas

Dados do relatório Comex Stat, que analisa o comércio exterior brasileiro com suporte de informações do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços e do governo federal, apontam que os 28,1% de exportações gerais realizadas pelo Brasil para a China em 2019 não devem sofrer grandes alterações nesse novo cenário — considerando as negociações atuais de soja.

Segundo o documento, a soja deve se manter no topo da lista dos produtos comercializados entre os países, seguindo os US$ 20,5 bilhões faturados em 2019 — outros itens nessa lista são óleos brutos e petróleo.

Expectativa de baixo impacto na venda de soja
(Fonte: Pixabay)

Novo perfil da economia

Embora as importações se mantenham desaceleradas, a China segue ativa no comércio com a América do Sul, no intuito de manter todas as compras possíveis, antecipando-se a uma das graves consequências que a pandemia do coronavírus pode ocasionar: o desabastecimento de insumos, principalmente, de alimentos.

Se interessou pelo assunto? Aprenda mais com especialistas da área no Summit Agro. Enquanto isso, acompanhe as notícias mais relevantes do setor pelo blog. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fonte: Agência Brasil, Aprosoja e Comex.

Gostou? Compartilhe!