Café: países produtores enfrentam pesadelo climático e logístico

23 de novembro de 2021 4 mins. de leitura
Café: países produtores enfrentam pesadelo climático e logístico

Conheça o mais relevante evento sobre agronegócio do País

O preço do café atingiu uma valorização recente no mercado internacional, mas os países produtores estão com dificuldades para aproveitar a alta. A saca de 60 quilos do café arábica chegou a ser cotada a US$ 166,52 em setembro deste ano, uma valorização de 36,7% em relação ao mesmo mês do ano anterior.

Porém, em diversos locais, adversidades climáticas e problemas logísticos atingem a cafeicultura, o que fez a Organização Internacional do Café (OIC) reduzir a estimativa de superávit global para a safra 2020/2021: de 2,63 milhões de sacas diminuiu para 2,39 milhões. Isso se deve à expectativa de aumento de consumo e à limitação de crescimento na oferta.

O mercado de café segue influenciado pelo clima no Brasil, principal produtor mundial, e por interrupções logísticas relacionadas à covid-19 que afetam o comércio na Ásia, de acordo com avaliação da OIC. O cenário deve continuar sustentando a valorização do grão nos próximos meses.

Leia também:

Café: Conab estima que safra 2021 será 22% menor em comparação a 2020

Preço do café: qual é a previsão para o 2° semestre?

Como o café se consolidou no Brasil?

O café no Brasil

Chuvas no início da primavera favorecem florada nos cafezais, mas efeitos da estiagem e geadas dos últimos meses devem ser sentidos até 2023. (Fonte: Shutterstock/Felipe Zerbini/Reprodução)
Chuvas no início da primavera favorecem florada nos cafezais, mas efeitos da estiagem e geadas dos últimos meses devem ser sentidos até 2023. (Fonte: Shutterstock/Felipe Zerbini/Reprodução)

Em setembro de 2021, a exportação brasileira recuou 26,5% em comparação ao mesmo mês do ano anterior, saindo de 4,2 milhões de sacas, em 2020, para 3,11 milhões de sacas neste ano, segundo dados do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil.

A redução nos embarques reflete a queda de produção, impulsionada pela bienalidade negativa do arábica, que já era esperada, mas também por uma combinação de adversidades climáticas (de seca e geadas) que contribuíram para a diminuição do rendimento dos cafezais.

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estima que a safra 2020/2021 termine com 46,8 milhões de sacas de café beneficiado, um recuo de 25,7% frente à temporada passada. Destas, 30,7 milhões de sacas são do arábica (volume 36,9% menor em relação a 19/20) e 16,1 milhões do conilon (queda de 12,8%).

Mesmo com o retorno das chuvas no início da primavera, o desenvolvimento vegetativo dos ramos foi afetado pelo período de longa estiagem e geadas, segundo a avaliação da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Café. Dessa forma, o desenvolvimento reprodutivo dos cafezais em 2022 e 2023 pode estar comprometido.

Situação em outros países

Excesso de chuvas provocado pelo La Niña pode prejudicar colheita no Vietnã. (Fonte: Shutterstock/jaboticaba images/Reprodução)
Excesso de chuvas provocado pelo La Niña pode prejudicar colheita no Vietnã. (Fonte: Shutterstock/jaboticaba images/Reprodução)

Enquanto a seca incomoda os cafeicultores brasileiros, os produtores de Honduras e Vietnã enfrentam o excesso de chuvas, o que deixa as lavouras mais suscetíveis a pragas. Além disso, problemas logísticos mundiais atingem os dois países.

A situação também é crítica na Colômbia. O país da América Central ainda se recupera de dois furacões que passaram pela região no ano passado. Honduras ainda enfrenta problemas com mão de obra. A maioria dos trabalhadores dos cafezais vêm de países vizinhos, e o deslocamento deles ficou dificultado por conta da pandemia.

O Vietnã, maior produtor mundial de conilon, deve enfrentar aumento das precipitações no início da colheita em novembro devido à influência do La Niña, o que pode prejudicar a qualidade do grão. O país pouco participou do mercado mundial em 2020 devido ao bloqueio no Canal de Suez, principal corredor logístico entre Ásia e Europa.

Já a Colômbia vive uma situação preocupante devido à onda de protesto e violência que eclodiram no primeiro semestre. Isso têm dificultado o escoamento interno da produção e elevado os custos com fretes. Além disso, o país, como todos os outros produtores de café, inclusive o Brasil, enfrenta congestionamento nos portos devido à crise internacional de contêineres.  

Fonte: Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Organização Internacional do Café (OIC), Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafe). 

Este conteúdo foi útil para você?

165140cookie-checkCafé: países produtores enfrentam pesadelo climático e logístico

Canal Agro