Brasil pode exportar novos produtos agrícolas para a Coreia do Sul

25 de maio de 2021 4 mins. de leitura
Estudo da CNA identifica potencial brasileiro para exportação, com a inclusão de 41 novos produtos agrícolas

Conheça o mais relevante evento sobre agronegócio do País

O potencial de exportação de novos produtos agrícolas para a Coreia do Sul foi objeto de um estudo inédito da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). A pesquisa, que defende um acordo comercial amplo entre o Brasil e o país asiático, identificou que 41 novos itens têm potencial para entrar no mercado sul-coreano.

A Coreia do Sul foi o quinto maior destino de exportação dos produtos agrícolas brasileiros em 2020, segundo dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Assim, foram comprados US$ 2 bilhões em 209 itens diferentes do agronegócio brasileiro, sendo que 75% dos embarques foram concentrados em produtos do complexo de soja, milho e etanol.

Com uma economia dinâmica e hábitos sofisticados de consumo, a República da Coreia sofre com os recursos produtivos escassos, devido à baixa disponibilidade de terra arável e a uma alta taxa de urbanização. Dessa forma, a Coreia do Sul precisa importar 70% dos alimentos consumidos, sendo o sexto maior importador mundial de produtos do setor.

Apesar da oportunidade, os produtos brasileiros enfrentam dificuldades para entrar no mercado sul-coreano. Entre elas, uma alta concorrência para bens vindos da China, da Austrália, da Nova Zelândia, da União Europeia e dos Estados Unidos, além de uma política nacional de subsídios à produção e altas tarifas de importação.

Leia também:

Brasil abriu 100 novos mercados e bateu recorde de exportação na agropecuária
Além da exportação, é necessária segurança alimentar para a população
Surto de gripe aviária atinge Coreia do Sul

Produtos agrícolas com potencial de exportação

Um acordo comercial amplo poderá favorecer a exportação de produtos agrícolas brasileiros para a Coreia do Sul. (Fonte: Shutterstock/Klaas Slot/Reprodução)
Um acordo comercial amplo poderá favorecer a exportação de produtos agrícolas brasileiros para a Coreia do Sul. (Fonte: Shutterstock/Klaas Slot/Reprodução)

O estudo analisou, de forma simultânea, os produtos que o Brasil tradicionalmente já exporta para o mundo e os principais produtos importados pela Coreia do Sul, que ainda são pouco representativos no comércio entre os dois países. Destacaram-se os seguintes itens: carnes, cereais, produtos e fibras têxteis.

Carnes

Apesar de ser um grande fornecedor mundial de carnes, a exportação do Brasil destinada à Coreia do Sul ainda é tímida. Apenas a carne de frango in natura apresenta um valor relevante, um valor em torno de US$ 200 milhões.

De acordo com a CNA, o setor de carnes, especialmente o de suína in natura, tem um potencial inexplorado de até US$ 3,5 bilhões. Assim como a China, a Coreia do Sul enfrentou um forte surto de peste suína africana e aumentou a necessidade de importação de proteínas. Nesse sentido, a carne bovina também poderá ser beneficiada por causa da ampliação das relações comerciais.

Cereais

A indústria sul-coreana utiliza largamente o milho como insumo para fabricação de rações. (Fonte: Shutterstock/branislavpudar/Reprodução)
A indústria sul-coreana utiliza largamente o milho como insumo para fabricação de rações. (Fonte: Shutterstock/branislavpudar/Reprodução)

As exportações de cereais brasileiros alcançaram a marca de US$ 6 bilhões anuais, enquanto os sul-coreanos compram em média US$ 4,5 bilhões por ano. Nesse contexto, a CNA avalia que o Brasil poderá vender até US$ 2 bilhões em produtos do setor, principalmente o milho, que tem um potencial estimado em US$ 1,7 bilhão.

Produtos e fibras têxteis

O Brasil é responsável por cerca de 10% de todas as fibras e os têxteis comercializados no mundo, enquanto a Coreia do Sul é responsável por 2,2% das importações globais dos produtos. A CNA identificou que o algodão não cardado nem penteado é o produto com maior potencial do segmento, podendo ampliar as exportações em até US$ 276,1 milhões, por não enfrentar tarifas de importação.

Não perca nem um fato que acontece no agronegócio. Inscreva-se em nossa newsletter.

Fonte: Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Este conteúdo foi útil para você?

147820cookie-checkBrasil pode exportar novos produtos agrícolas para a Coreia do Sul

Canal Agro