Biosseguridade: medidas para garantir a saúde na granja de suínos

Evitar a disseminação de doenças em granjas de suínos é um desafio de todos os produtores. Algumas medidas de biosseguridade podem solucionar o problema.

Biosseguridade: medidas para garantir a saúde na granja de suínos
02/04/2020 • 3 min. de leitura

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) prevê que o valor bruto de produção dos suínos vai atingir R$ 18 bilhões neste ano, um aumento de 11% em comparação ao ano passado. Com esse aumento na demanda, há uma crescente preocupação com a produtividade e a saúde do rebanho. Nesse contexto, a implementação da biosseguridade é cada vez mais importante. Medidas para implementar a biosseguridade em granjas de suínos em geral são caras e requerem disciplina. Contudo, seus resultados compensam: tornam o rebanho mais saudável e, portanto, com maior produtividade.

(Fonte: Mapa/Reprodução)

A biosseguridade é o conjunto de procedimentos que o produtor deve adotar para reduzir a entrada de patógenos em uma granja (biosseguridade externa) e controlar a difusão de doenças no rebanho (biosseguridade interna). Esse conceito está ligado à saúde animal e à medicina veterinária preventiva, cada vez mais em voga.

Em 2017, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) redigiu um documento, revisado posteriormente por especialistas e produtores, com algumas medidas de biosseguridade mínima para granjas de suínos. Alguns dos principais pontos são:

Localização das granjas: recomenda-se que a granja esteja localizada em um lugar tranquilo e longe de outras instalações como frigoríficos e abatedouros. Uma granja também não deve ficar muito próxima de outra. O ideal é que haja uma distância de 3 a 5 quilômetros entre os estabelecimentos. Elas também não devem estar muito próximas à área urbana. Se possível, as granjas de suínos devem ser isoladas por barreiras físicas e naturais.

Livro de visitas: o uso do livro de visitas é imprescindível para um maior controle da saúde dos animais. Há também algumas restrições: só devem ser autorizadas a entrar em uma granja núcleo ou multiplicadora pessoas com mais de 48 horas de intervalo desde o último contato com animais e de 72 horas após a última visita a frigoríficos e outras propriedades com status sanitário inferior.

Controle de animais de estimação: não deve ser permitida a circulação de animais de estimação nas granjas, pois eles podem ser fontes de disseminação de algumas doenças. É preciso tomar cuidado também com rebanhos bovinos ou bubalinos nas imediações da granja: esses animais devem ser vacinados contra febre aftosa.

Programa de controle de pragas: o proprietário da granja de suínos deve fazer uso de serviços profissionais de controle de pragas e roedores. Além da implementação do serviço, orienta-se a monitorização da eficiência do programa. Deve ser verificado semanalmente o número de pragas nas instalações até que seja zerado e a granja esteja finalmente livre de moscas, baratas e pássaros.

Limpeza e desinfecção: para uma limpeza eficiente, a granja deve estar vazia, sem os animais. A lavagem do local deve ser feita com uma bomba de alta pressão com água na temperatura de 60°C e materiais desinfetantes. Depois disso, a granja deve ficar vazia durante pelo menos 48 horas, para secagem adequada.

(Fonte: Mapa/Reprodução)


Essas são só algumas formas de implementar a biosseguridade em granjas de suínos. Mas é importante lembrar que existem várias outras e, com a ajuda da tecnologia, estão surgindo ainda mais. Um exemplo é o do uso do incinerador, equipamento que incinera animais e produtos de origem animal que apresentem algum risco biológico, reduzindo as chances de proliferação de doenças.

A biosseguridade é cada vez mais importante, e é necessário estar atento às inovações dessa área para tornar a granja de suínos mais produtiva.

Se interessou pelo assunto? Aprenda mais com especialistas da área no Summit Agro. Enquanto isso, acompanhe as notícias mais relevantes do setor pelo blog. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fonte: Embrapa, Suinocultura Industrial