Conheça o evento

Variedade de cana produz bioinseticida natural para própria praga

A partir da descoberta, Embrapa pretende desenvolver variedades de cana-de-açúcar mais resistentes

Variedade de cana produz bioinseticida natural para própria praga
06/05/2020 • 3 min. de leitura

Em tempos de covid-19 muito se comenta sobre a capacidade do corpo humano lutar contra os vírus e curar a si próprio. Um raciocínio semelhante pode ser aplicado à cana-de-açúcar: um estudo descobriu que algumas plantas, quando atacadas pela broca-da-cana-de-açúcar, produzem ácido clorogênico, substância que combate a praga. A pesquisa foi liderada pela Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), em parceria com cinco institutos de pesquisa nacionais e estrangeiros, e publicada na revista científica Industrial Crops & Products.

Pesquisa foi desenvolvida pela Embrapa, com universidades nacionais e estrangeiras
Pesquisa foi desenvolvida pela Embrapa, com universidades nacionais e estrangeiras (Fonte: Embrapa/Reprodução)

A broca-da-cana — cujo nome científico é Diatraea saccharalis , uma espécie de mariposa, é considerada a principal praga na cultura de cana-de-açúcar do Brasil. Os insetos adultos depositam ovos nas folhas da planta. Esses ovos eclodem e as lagartas se alimentam das folhas, posteriormente abrindo galerias em seu interior, até que se desenvolvam completamente.

O ciclo inteiro da broca-da-cana dura em torno de 60 dias, resultando em quatro gerações de insetos que afetam as plantações de cana-de-açúcar durante toda a safra. Entre os principais prejuízos, a abertura dessas galerias gera a perda de peso e até a morte das gemas. Além disso, elas podem servir como entrada para fungos, que causam outros problemas nas plantas e atrapalham a produção da cana-de-açúcar.

Na pesquisa, plantas da variedade SP791011 que foram submetidas a ataques da broca-da-cana desenvolveram, por conta própria, altas quantidades de ácido clorogênico, enquanto as plantas do grupo de controle, que não foram expostas à praga, não apresentaram níveis elevados da substância. O ácido faz com que a broca-da-cana se desenvolva mais rápido na fase de pupa, mas gere uma mariposa com asas deformadas.

Ácido clorogênico, um biopesticida natural

De acordo com a Embrapa, o ácido clorogênico pode ser considerado um biopesticida natural, não apenas contra a broca-da-cana, mas contra outras pragas que prejudicam a produção do café, milho e tomate, entre outras culturas.

A variedade de cana-de-açúcar utilizada no estudo, SP791011, é de domínio público e amplamente utilizada nas lavouras brasileiras. Dessa maneira, a Embrapa e seus parceiros pretendem fazer novas experiências de melhoramento genético, com o objetivo de criar novas variedades de cana-de-açúcar mais resistentes a pragas como a Diatraea saccharalis.

Embrapa mantem banco de material genético para pesquisas com cana-de-açúcar
Embrapa mantém banco de germoplasma para pesquisas com cana-de-açúcar (Fonte: Embrapa/Reprodução)

Para tornar essas pesquisas possíveis, a Embrapa mantém o Banco Ativo de Germoplasma (BAG) Cana, uma espécie de arquivo com amostras de material genético de diversas variedades de cana-de-açúcar. Além de acessos mantidos in vitro, nos laboratórios, o BAG Cana conta com exemplares plantados no campo, totalizando 128 amostras.

A curadora do BAG Cana, Adriane Amaral, acredita que a descoberta sobre o ácido clorogênico é bastante animadora para a cultura de cana-de-açúcar. Em entrevista para o portal da Embrapa, a pesquisadora afirmou: "A partir desses achados, devemos realizar experimentos com outras variedades do banco, tanto as domesticadas quanto as silvestres, para verificar o comportamento de produção de ácido clorogênico e, possivelmente, ampliar o leque de cruzamentos viáveis”.

Descoberta surge em momento delicado para o setor

Uma pesquisa com resultados animadores pode ser de grande importância para o setor de cana-de-açúcar, que sofre com os desdobramentos da crise causada pelo novo coronavírus. De acordo com um relatório emitido pelo banco holandês Rabobank, a pandemia, somada às disputas políticas que derrubaram as cotações do petróleo, foram uma "verdadeira bomba" para a produção etanol.

Dessa maneira, seria mais vantajoso para os produtores direcionarem sua colheita para a fabricação de açúcar — o Rabobank estima que 45% da cana-de-açúcar terá esse destino, em média. Ainda assim, não seria o suficiente para dar conta de toda a produção, que deve terminar a safra 2019/2020 com um excedente de 6,7 milhões de toneladas.

Frente a esse cenário, a Ministra da Agricultura, Tereza Cristina, anunciou um pacote de medidas para auxiliar os produtores de cana-de-açúcar, que envolvem mudanças em tributos que incidem sobre o etanol e a gasolina, bem como linhas especiais de crédito para financiar o armazenamento do biocombustível por até um ano, uma vez que a cana não pode demorar para ser processada.

Se interessou pelo assunto? Aprenda mais com especialistas da área no Summit Agro. Enquanto isso, acompanhe as notícias mais relevantes do setor pelo blog. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fonte: Embrapa e Reuters.