Conheça a primeira fazenda flutuante do mundo

30 de setembro de 2019 3 mins. de leitura
Instalação já está em funcionamento e fornece produtos lácteos para Roterdã

Em um esforço para tornar a produção de leite e laticínios, assim como a sua distribuição, mais sustentável e menos prejudicial ao meio ambiente, uma companhia holandesa chamada Beladon construiu a primeira fazenda flutuante do mundo. A novidade, que já está em funcionamento e ancorada em Roterdã, no Novo Mosa, um tributário do Rio Reno, pode dar origem a muitas outras iniciativas do tipo.

Fazenda flutuante

De acordo com os idealizadores do projeto, a fabricação e a distribuição de produtos derivados do leite consistem em um processo bastante caro, além de poluente, uma vez que o transporte é realizado por veículos como aviões, navios de carga e caminhões, que contribuem para aumentar os níveis de emissões e podem gerar perdas dos alimentos produzidos.

(Fonte: Dezeen/Ruben Dario Kleimeer/Reprodução)

Então, em vez de transportar os laticínios até os pontos de venda, a ideia por trás da criação da fazenda flutuante é aproximar a instalação e seus produtos dos centros de distribuição e dos próprios supermercados. Ademais, existe a questão da elevação do nível do mar por conta do aquecimento global e a potencial perda de áreas para a criação de animais ou para a agricultura, então a iniciativa também visa oferecer soluções para esses problemas.

Produção sustentável

A instalação em Roterdã abriga 32 vacas, e, além de toda a energia ser gerada por painéis solares, a água usada é obtida através de um dispositivo que coleta e purifica a água da chuva. Parte das atividades da fazenda é realizada por robôs que estão envolvidos em diferentes tarefas, como tirar o leite das vaquinhas e manter o local limpo, e a expectativa é que quando a fazenda atingir a sua capacidade máxima, de 40 animais, a produção diária de leite seja de 800 litros.
=

(Fonte: Dezeen/Ruben Dario Kleimeer/Reprodução)

Cerca de 80% dos alimentos que os animais recebem consistem em grama e outras plantas podadas de campos de futebol, golfe e outras áreas verdes da cidade, bem como cascas de batata, grãos e farelos dispensados por cervejarias locais; os dejetos produzidos pelos animais são usados como fertilizante em praças e jardins públicos de Roterdã.

Além disso, as ocupantes da fazenda são levadas esporadicamente para pastar em terra firme. Uma rampa permite que elas saiam para passear em um jardim cercado, e ao que tudo indica elas se adaptaram superbem à vida na fazenda, que nada mais é do que uma plataforma flutuante que custou perto de US$ 3 milhões (quase R$ 12 milhões) para ser construída.

(Fonte: Dezeen/Ruben Dario Kleimeer/Reprodução)

Embora a fazenda ainda não tenha alcançado a sua capacidade máxima e não esteja no ápice de sua produção, a população já pode adquirir os produtos se dirigindo ao Novo Mosa e comprando diretamente da instalação ou em mais de 20 estabelecimentos espalhados pela cidade. Além disso, a equipe que desenvolveu a fazenda está trabalhando no projeto de uma granja e uma estufa flutuantes para suplementar a produção de alimentos da cidade.

Curtiu o assunto? Reunimos especialistas e autoridades de diferentes áreas do setor de agronegócios. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fontes: Dezeen.

Gostou? Compartilhe!