O que a tecnologia pode agregar ao agronegócio?

25 de novembro de 2020 3 mins. de leitura
Cases apresentados no Summit Agro mostram soluções tecnológicas que podem elevar a produtividade e reduzir custos do setor

A tecnologia tem sido uma aliada fundamental para a consolidação do Brasil em uma posição de destaque na produção agrícola. Durante o encerramento do Summit Agro 2020 foram apresentados dois cases que mostram a ampla atuação e a sinergia das tecnologias com a agricultura.

No primeiro Painel Tech do dia, Bernardo Fabiani, CEO da TerraMagna, explicou de que forma a empresa está reinventando a maneira como o crédito é fornecido na agricultura brasileira. A startup tem conseguido, a partir de fontes alternativas de dados, transformar um processo arriscado em uma experiência simples e segura tanto para financiadores quanto para financiados.

Na última palestra do evento, Lucas Marcolin, gerente comercial de produtos digitais da BASF, mostrou como a multinacional tem criado soluções específicas para propiciar a redução do uso de insumos com recomendações de aplicação de agrotóxicos para áreas específicas, permitindo uma agricultura mais sustentável.

Tecnologia para facilitar o crédito

Satélite permite mapear estágio das lavouras agrícolas do Mato Grosso em apenas 40 minutos. (Fonte: Summit Agro 2020/Reprodução)
Satélite permite mapear estágio das lavouras do Mato Grosso em apenas 40 minutos. (Fonte: Summit Agro 2020/Reprodução)

“O crédito é o insumo mais importante para a agricultura brasileira porque é aquele que precede todos os outros”, argumenta Fabiani. “Sem crédito, você não consegue plantar uma lavoura, não consegue protegê-la nem fazê-la crescer”, completa. O CEO da TerraMagna afirma que o financiamento possibilitou o crescimento da agricultura brasileira até se tornar protagonista mundial na produção de alimentos.

Ainda assim, o financiamento agrícola é extremamente arriscado. A plantação está exposta a todas as condições climáticas e a doenças que podem ser muito difíceis de serem medidas e entendidas por bancos e outros possíveis financiadores da atividade. “A TerraMagna surgiu exatamente para resolver esse problema”, afirma o CEO da empresa que ajuda os players convencionais do mercado de crédito a entenderem e a administrarem os riscos do agronegócio.

Por meio de monitoramento via satélite, processamento em nuvem, dados governamentais e inteligência artificial, a startup consegue traçar um perfil do agricultor e das garantias oferecidas para uma melhor precificação dos empréstimos.

Precisão na aplicação de defensivos agrícolas

BASF desenvolve tecnologia para aplicação de defensivos agrícolas com alta precisão utilizando câmeras acopladas a bico injetores. (Fonte: Summit Agro 2020/Reprodução)
BASF desenvolve tecnologia para aplicação de defensivos agrícolas com alta precisão utilizando câmeras acopladas a bicos injetores. (Fonte: Summit Agro 2020/Reprodução)

As ferramentas tecnológicas também podem ajudar no uso mais preciso de insumos agrícolas. A BASF, por meio de subsidiária Xarvio, oferece uma solução que faz recomendações específicas de aplicação de defensivos agrícolas por talhão por meio de mapeamento com drones.

Com a análise e o uso de insumos de forma setorizada, a empresa ajuda o produtor a extrair o máximo de cada ponto do terreno, reduzindo custos e tornando a atividade mais sustentável. “A agricultura está passando por uma transformação em que cada vez mais a sustentabilidade vem à tona”, argumenta Marcolin.

Em colaboração com a Borsche, a multinacional está desenvolvendo um sistema com câmeras acopladas a bicos para identificar ervas daninhas e fazer a aplicação ainda mais direcionada. Com isso, a empresa pretende não mais atuar por setores, mas sim utilizar os insumos exclusivamente nas pragas que devem ser combatidas, preservando o restante da plantação.

Participe do debate sobre a pecuária brasileira e seu impacto no meio-ambiente. É online e gratuito. Inscreva-se agora!

Fonte: Estadão.

Canal Agro