Invenção brasileira permite produzir gado com mais qualidade

13 de março de 2020 5 mins. de leitura
Dispositivo de fácil leitura e com valor acessível pode ajudar produtores a conseguirem melhor preço pela arroba do boi para abate

O Brasil possui o maior rebanho bovino comercial do mundo, com 213,5 milhões de cabeças, segundo informações da Pesquisa da Pecuária Municipal 2018 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O país também é o maior exportador de carne bovina, com 1,64 milhão de toneladas exportadas no mesmo ano a um valor de US$ 6,57 bilhões, conforme dados da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec). Produzir carne com qualidade é requisito essencial para entrar em mercados exigentes, como a União Europeia, que chega a pagar R$ 4 a mais por arroba do boi.

No entanto, estima-se que apenas 15% do gado brasileiro de abate possuem carcaças com qualidade suficiente para a indústria frigorífica. Para tentar resolver esse problema, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) desenvolveu uma tecnologia capaz de avaliar a qualidade da carcaça bovina de forma simples, rápida e precisa. O Sistema de Avaliação do Grau do Acabamento Bovino (SagaBov) permite medir a espessura de gordura da carcaça e pode ser utilizado pelo próprio produtor.

(Fonte: Shutterstock)

O problema da cadeia da carne começa na mensuração imprecisa da qualidade dos animais. A avaliação visual é a prática adotada normalmente pelos produtores, pois a tecnologia disponível no mercado, a ultrassonografia, tem um custo de cerca de R$ 15 por animal — um preço relativamente alto para a maioria.

O envio de animais de má qualidade para o abate tem impacto em toda a cadeia produtiva. Prejudica o produtor, que recebe um valor menor do que o esperado pela arroba, e ainda afeta a indústria frigorífica, pois o custo para abater carcaças inadequadas ou de qualidade é o mesmo, ainda que o rendimento seja menor. A carne bovina com menor qualidade também não atinge os níveis esperados para a exportação e acaba sendo negociada no mercado interno, que deixa de receber os melhores cortes.

A tecnologia desenvolvida pela Embrapa está validada para ser utilizada em machos castrados e fêmeas zebuínos, que representam cerca de 80% do rebanho nacional. A validação para machos inteiros e para animais da raça Angus está em andamento. O dispositivo foi patenteado no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) e está licenciado pela Embrapa para ser comercializado por três empresas credenciadas. A ferramenta tem um custo baixo e pode ser encontrada por cerca de R$ 40. O produto é destinado a produtores e compradores de gado, confinadores e frigoríficos.

O pesquisador da Embrapa Rondônia e inventor do SagaBov, Luiz Pfeifer, avalia que o dispositivo vai gerar um impacto positivo no mercado bovino brasileiro. “O uso dessa ferramenta pode beneficiar todos os elos da cadeia da carne. Com a avaliação e a seleção de animais adequados para o abate, a indústria terá aumento do rendimento de carcaça fria; o produtor, acesso aos programas de bonificação; e o consumidor, maior qualidade de carne disponível no varejo”, explica.

Como avaliar a qualidade do animal

É importante lembrar que existe uma diferença entre o gado bem pesado e o gado acabado, com o nível adequado de gordura. A qualidade de um animal é medida pelo grau de acabamento. Uma carcaça com níveis adequados de gordura proporciona um melhor rendimento e palatabilidade à carne. O índice de gordura tem uma relação direta com cor, brilho, odor, sabor, maciez e suculência da carne, e isso também influencia seu preço. A indústria frigorífica requer uma espessura de gordura do gado que varia entre 3 a 6 milímetros. Níveis abaixo ou acima desse intervalo são indesejados e derrubam o valor da arroba do gado.

(Fonte: Renata Silva/Embrapa/Reprodução)

O dispositivo é composto por duas hastes articuladas que formam um ângulo que indica se o animal está magro, com gordura adequada para o abate ou até mesmo com excesso de gordura. Para avaliar o acabamento de cada animal, o Sagabov deve ser posicionado sobre a garupa do boi, entre a última vértebra lombar e a primeira vértebra sacral. O dispositivo deve ser fechado de forma lenta até que ambas as réguas tenham o maior contato possível com a pele do animal. O visor da ferramenta dará a leitura do nível de gordura por meio de três cores, que oferecem um resultado imediato e de fácil entendimento ao produtor, para ajudá-lo a produzir uma carne de melhor qualidade.

O verde indica que o gado tem níveis adequados de gordura mediana e uniforme na carcaça. Já o vermelho sinaliza que o animal está com gordura ausente e escassa e deve ser engordado para o abate. Por fim, o amarelo indica que a caraça possui gordura em excesso, e o gado também deve ser ajustado antes de ir ao frigorífico.

Se interessou pelo assunto? Aprenda mais com especialistas da área no Summit Agro. Enquanto isso, acompanhe as notícias mais relevantes do setor pelo blog. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fonte: IBGE, Abracomex, Embrapa

Gostou? Compartilhe!