ILPF: como escolher as melhores árvores para esse sistema

2 de julho de 2020 4 mins. de leitura
Entre outras características, as plantas devem ter crescimento

Quer impulsionar seus negócios? Se inscreva no Summit Agronegócio, evento que reúne os maiores especialistas em agro do País.

***

De acordo com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), o Brasil possui cerca de 11,5 milhões de hectares com o sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF). As maiores áreas com esse tipo de produção ficam situadas nas regiões de Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Rio Grande do Sul.

Segundo a pesquisa, realizada em 2016, a ILPF teve um aumento de adesão de quase 10 milhões de hectares nos últimos dez anos. Agricultores e pecuaristas buscam no ILPF soluções para redução dos impactos ambientais, recuperação de pastagens, aumento da rentabilidade por hectare e diminuição do risco financeiro.

Isso porque as árvores escolhidas para integrar o sistema podem ser comercializadas, adicionando uma nova fonte de renda e agregando benefícios para a lavoura e pecuária. No entanto, para que haja êxito nos resultados, é fundamental que o produtor saiba escolher corretamente as espécies arbóreas que melhor correspondam a esse sistema.

O que é o ILPF e quais são suas vantagens

(Fonte: Shutterstock)

A ILPF é um sistema de produção que faz a integração de três tipos de cultivo diferentes: agrícola, pecuário e florestal. Essas atividades podem ser conduzidas em consórcio, rotação ou sucessão, de acordo com o que for mais benéfico para o sistema.

As principais vantagens são:

  • aumento da renda líquida do agronegócio;
  • elevação da produção de carne, leite, grãos, produtos madeireiros e não madeireiros em uma mesma propriedade;
  • melhora na qualidade do solo;
  • maior conservação do solo;
  • ganho no bem-estar animal;
  • abertura de novas áreas de vegetação nativa;
  • promoção da sustentabilidade na produção;
  • manutenção e proteção da biodiversidade e do equilíbrio agroecológico na área;
  • intensificação na reciclagem de nutrientes do solo;
  • melhora na utilização e preservação dos recursos naturais;
  • maior estabilidade econômica;
  • sequestro de gases causadores do efeito estufa.

Como escolher as melhores árvores para o ILPF

(Fonte: Shutterstock)

Escolher corretamente a espécie arbórea é determinante para os resultados positivos da ILPF. Para isso, o produtor precisa traçar em seu planejamento o destino final da madeira e considerar as características do mercado.

Além disso, é importante que as árvores escolhidas apresentem características como crescimento rápido, copa com pouca densidade, resistência à seca, boa adaptação ao ambiente de acordo com o clima da região e capacidade de doar tanto nitrogênio como nutrientes para o pasto. O eucalipto, por exemplo, é uma espécie que apresenta melhor desempenho quando cultivado em ILPF e tem um ciclo curto, que permite a obtenção de um retorno rápido no caso da venda da madeira.

No entanto, caso o produtor não tenha pressa em faturar na área florestal de sua propriedade, é possível optar por árvores que tenham um ciclo longo e de maior rentabilidade. Como exemplo, podemos destacar o caso de um produtor que optou pelo Mogno Africano com a finalidade de poupar para sua aposentadoria com a venda da madeira nobre.

Outras opções de ciclo longo adequadas à ILPF no Brasil são a canafístula, o baru, o cedro-rosa e o paricá. Para acertar na escolha, é essencial que o produtor calcule o investimento total, a rotatividade, o tipo de manejo necessário e o melhor retorno de acordo com as tendências do mercado.

Quer ficar por dentro das novidades tecnológicas no agronegócio? O Summit Agronegócio reúne especialistas e autoridades para discutir os temas mais relevantes do setor, como drones, GPS, uso de softwares e tecnologias para sustentabilidade. Faça parte da evolução do agro e participe do evento mais completo do setor. Para saber mais, é só clicar aqui!

Fonte: Embrapa.

Gostou? Compartilhe!