Conheça a tecnologia que agiliza a vacinação de tilápias

15 de outubro de 2021 4 mins. de leitura
Diminuição da ocorrência de queimadas é fundamental para a preservação do agronegócio brasileiro

Conheça o mais relevante evento sobre agronegócio do País

Com o preço das carnes vermelhas em alta desde o início da pandemia de covid-19, uma nova opção de proteína animal vem ganhando espaço na mesa dos brasileiros: a carne de peixe. Em 2020 a produção de peixes no País cresceu 5,9%, segundo dados da Associação Brasileira de Piscicultura (PeixeBR), o que significou um aumento de 800 mil toneladas na produção.

As expectativas do setor de pescados são otimistas, a carne de peixe está entre as proteínas animais mais consumidas no mundo e o Brasil tem ótimas características naturais para exploração da piscicultura, como o clima favorável e muita água doce.

Alimentação de tilápias em tanque. (Fonte: Shutterstock/neenawat khenyothaa/Reprodução)
Alimentação de tilápias em tanque. (Fonte: Shutterstock/neenawat khenyothaa/Reprodução)

A tilápia é o peixe mais importante para a piscicultura nacional, a espécie responde por 60,6% de toda a produção, com quase 490 mil toneladas produzidas por ano. Para agilizar o setor, uma tecnologia tem empolgado os produtores: a máquina de vacinação automática.

Leia também:

Primavera: como fica a previsão do tempo?

Grãos: o que esperar da 2ª quinzena de setembro?

Soja: como será a safra 2021/2022?

Como acontece a vacinação da tilápia?

Segundo a PeixeBR, 90% dos produtores brasileiros de tilápias de aquacultura (criadas em tanques) vacinam seus peixes contra as bactérias mais comuns que podem afetar essa produção, a Streptococcus B e a Streptococcus iniae. Em um lote vacinado o aproveitamento dos peixes é de cerca de 96%, enquanto sem vacina é de apenas 70%. Comumente a vacinação se dá por método manual, os peixes são sedados pela ração e então funcionários precisam inserir uma agulha no abdome do peixe.

Agora, diferentes empresas estão lançando máquinas para vacinação automática. Com elas,  o peixe sedado só precisará ser colocado em uma esteira, então a máquina posicionará corretamente o peixe e o vacinará.

Em uma hora uma máquina pode vacinar até 5 mil peixes, enquanto pelo método manual a média era de cerca de 1,3 mil por hora.

Cresce a produção de tilápias

A produção de tilápias é um dos setores do agronegócio que mais cresce no Brasil. Só em 2020 o aumento da produção nacional foi de 12%, maior do que qualquer outra proteína animal. O País é o quarto maior produtor do peixe, só a região do município de Santa Fé do Sul (SP), cidade que se tornou referência na produção da espécie, movimenta R$ 1 bilhão por ano e gera mais de 4 mil empregos.

Carne de peixe pode ganhar espaço no mercado nacional depois do aumento das carnes bovinas, aves e suína. (Fonte: Rosalind Chang/Unsplash/Reprodução)
Carne de peixe pode ganhar espaço no mercado nacional depois do aumento das carnes bovinas, aves e suína. (Fonte: Rosalind Chang/Unsplash/Reprodução)

Uma das especificidades da espécie é o modo como se dá sua reprodução. A fêmea armazena os ovos fecundados na boca, até que os filhotes quebrem os ovos e saiam. Uma fêmea pode armazenar entre 800 e 1,2 mil ovos por vez.

Na piscicultura, os produtores retiram os ovos da boca da fêmea após sete dias de fecundação e os levam para o laboratório para o nascimento. Isso é feito porque as tilápias não tem sexo definido durante o primeiro mês de vida, e através da inserção de hormônios na ração os produtores podem influenciar a definição do sexo. Para a produção é interessante que eles sejam machos, pois estes engordam mais e mais rápido do que as fêmeas. 

Fonte: Abras, SNA. 

Este conteúdo foi útil para você?

157691cookie-checkConheça a tecnologia que agiliza a vacinação de tilápias

Canal Agro