Boi gordo: preço surpreende analistas e pode bater novos recordes

17 de agosto de 2020 3 mins. de leitura
Mesmo diante da redução da demanda interna causada pela pandemia, cotações para o boi gordo permanecem altas e em ascensão
Quer impulsionar seus negócios? Se inscreva no Summit Agronegócio, evento que reúne os maiores especialistas em agro do País. *** Especialistas do setor agropecuário têm se surpreendido com o desempenho e a valorização do boi gordo mesmo diante do cenário instável causado pela pandemia de covid-19. Diante das medidas de distanciamento necessárias para conter a disseminação do vírus e da queda no poder de compra dos consumidores, o comportamento do mercado se alterou, causando redução na demanda por carne bovina no mercado interno. Apesar disso, em junho o indicador Cepea/B3 para o boi gordo no Estado de São Paulo, referência para o preço nacional, teve crescimento de 6,6%, alcançando R$ 218,40 por arroba. Nos últimos 12 meses, o preço do boi gordo registrou alta de 43,5%, demonstrando tendência de resistência do setor aos efeitos da pandemia. No Mato Grosso do Sul, o gado chegou a ser negociado por R$ 220 por arroba. As cotações altas no mercado futuro também têm atraído investidores que acreditam na constância da valorização do boi gordo.

Estimativas e números recordes

(Fonte: Shutterstock)
Além de estar na contramão de outros setores da economia, que estão sendo severamente afetados pela pandemia e pela crise econômica, o preço do boi gordo não só está mantendo bons níveis como também pode chegar a bater novos recordes. De acordo com especialistas, o valor atual está com uma diferença de somente R$ 13 em relação ao recorde atual de R$ 231,35 registrado em novembro de 2019. Considerando que o pico da entressafra acontece em geral entre outubro e novembro, há muito espaço para que esse preço seja ainda mais valorizado e atinja novos patamares históricos. Caso os níveis entre oferta e demanda permaneçam estáveis, os próximos meses provavelmente registrarão novas altas. Isso acontece principalmente pela relação entre a produção nacional e procura do mercado. Devido à pandemia e à queda na demanda, os produtores de gado de corte reduziram e restringiram a oferta. Com a alta do dólar e a busca dos países estrangeiros por carne de qualidade, os pecuaristas encontram muito mais vantagens em exportar a produção. Sendo assim, atualmente a procura interna segue sendo maior do que a disponibilidade de carne bovina. Essa relação é o principal fator de valorização do preço do boi gordo, o que causa o aumento do preço para os consumidores finais. Quer saber mais sobre as tendências do mercado do boi gordo? Inscreva-se no Summit Agro, evento que reúne os maiores especialistas em agronegócio do País. Fonte: Notícias Agrícolas e Pecuária.
Gostou? Compartilhe!