Tecnologia ajuda agronegócio a manter segurança alimentar

Soluções contribuem para diminuir transmissão do novo coronavírus e impulsionar as vendas dos produtos do campo

Tecnologia ajuda agronegócio a manter segurança alimentar
11/05/2020 • 3 min. de leitura

A tecnologia pode ser uma grande aliada na manutenção da segurança alimentar, oferecendo soluções para problemas pontuais, como a atual crise do novo coronavírus, e estruturais que podem ser incorporadas à cadeia produtiva.

Dois dos principais setores que acendem o sinal de alerta dos produtores, por facilitar a entrada de doenças e a contaminação dos produtos agrícolas, são o da produção e o da distribuição — por conta do manuseio errado, falta da higiene adequada ou de cuidados básicos.

Para superar esses problemas, soluções usam a tecnologia para reduzir o contato entre pessoas e objetos, além de tentar garantir a segurança alimentar e a saúde dos trabalhadores de fazendas. No contexto da pandemia atual, a transmissão da covid-19 pode ser freada com essas ferramentas.

Abertura de portas sem usar mãos

(Fonte: Rayflex/Reprodução)
(Fonte: Rayflex/Reprodução)

Ambientes separados, onde é possível efetuar o controle de temperatura, umidade e contaminação são importantes para preservar mercadorias e melhorar a produtividade no campo, em especial nos sistemas de cultivo agropecuário indoor.

As portas funcionam como barreiras sanitárias e acesso a esses ambientes. No entanto, podem se transformar em um vetor de transmissão de doenças, como a covid-19, quando diversas pessoas têm de tocar a mesma superfície para acionar sua abertura e fechamento.

Para diminuir a possibilidade de transmissão de doenças, a Rayflex desenvolveu uma porta inteligente capaz de funcionar de forma autônoma, reconhecendo movimentações e abrindo-se somente pelo tempo necessário.

“Adotamos sistemas inteligentes que não necessitam de contato físico, por exemplo os sensores de pisos, que permitem a entrada de carrinhos, e também as botoeiras no touch, que exigem apenas o movimento do braço ou das mãos para acionamento do sistema e liberação da passagem, sem necessitar de toque”, comenta a diretora executiva da Rayflex, Giordania Tavares.

Plataformas para vendas de produtos agrícolas

(Fonte: Shutterstock)

A Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) lançou uma série de iniciativas para garantir a segurança alimentar na logística. A entidade oferece um guia de comércio eletrônico, com orientações sobre embalagens, volume e peso adequados, para tornar o produto mais atrativo e seguro.

Além disso, a (CNA) desenvolveu uma plataforma gratuita de comércio eletrônico para ligar produtores, redes de supermercado e serviços de frete, garantindo tanto o escoamento da produção agrícola quanto o abastecimento dos lares brasileiros, com a redução do contato físico na cadeia produtiva.

“O objetivo da ferramenta é diminuir a distância entre produtor e consumidor, além de facilitar a comercialização não apenas nesse momento em que os canais de distribuição convencionais estão prejudicados pela pandemia do coronavírus”, afirmou o coordenador de Inovação do Sistema CNA/Senar, Matheus Ferreira.

Com o serviço, os produtores rurais podem alcançar novos canais de venda e se relacionarem com novos parceiros de distribuição. Para se cadastrar, o agricultor deve realizar um cadastro na plataforma, informando seus produtos e definindo a sua região de atuação.

O site permite comercialização de frutas, hortaliças, flores, plantas ornamentais etc. Os valores dos produtos são negociados diretamente entre vendedores e compradores, sem intervenção da CNA.

Se interessou pelo assunto? Aprenda mais com especialistas da área no Summit Agro. Enquanto isso, acompanhe as notícias mais relevantes do setor pelo blog. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fonte: Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).