Pecuária sustentável: como aumentar a produção gastando menos água

25 de setembro de 2020 4 mins. de leitura
Com algumas técnicas e mudanças de hábitos simples, é possível tornar a pecuária mais rentável e ambientalmente responsável

Quer impulsionar seus negócios? Se inscreva no Summit Agronegócio, evento que reúne os maiores especialistas em agro do País.

***

Utilizar menos água se tornou um dos principais objetivos do agronegócio, tanto pela questão financeira quanto pela preocupação com o meio ambiente — em especial com a estiagem que está atingindo a região Centro-Sul do País em 2020. Muitos pecuaristas estão descobrindo que economizar água, enquanto mantêm ou até mesmo aumentam a produção de carne e leite, não demanda grandes investimentos ou alterações drásticas nas técnicas adotadas na propriedade.

De acordo com o pesquisador Júlio César Palhares, da Embrapa Pecuária Sudeste, “com pouco investimento, é possível economizar água, energia elétrica e dinheiro e, ainda, fazer com que a produção agropecuária seja hidricamente sustentável”. Palhares elaborou duas cartilhas da instituição sobre o assunto, as quais dão dicas para um manejo hídrico mais eficiente nas propriedades de gado leiteiro.

Economia com eficiência

Uma das primeiras dicas dos especialistas da Embrapa é ter controle de quanta água é gasta na propriedade, por meio da instalação de hidrômetros nos locais de maior consumo.

A captação de água das chuvas é outra medida simples, mas muito efetiva: basta instalar calhas nos galpões e outras construções e armazenar o líquido em tonéis. Essa água pode ser usada para limpar salas de ordenha, por exemplo.

Manejo hídrico eficiente torna a propriedade mais rentável e ambientalmente responsável (Fonte: Embrapa/Reprodução)
Manejo hídrico eficiente torna a propriedade mais rentável e ambientalmente responsável. (Fonte: Embrapa/Reprodução)

As salas de ordenha, aliás, são alguns dos principais locais onde é possível economizar água com atitudes simples. A primeira delas é manter o piso em boas condições, para que a limpeza dos dejetos seja mais fácil. Também é recomendado fazer a raspagem com pá, antes de lavar o local.

Para a limpeza, utilizar máquinas de água com pressão facilita o processo, gerando economia de tempo e de recursos hídricos. Além de ser mais vantajoso para o meio ambiente, gastar menos água na limpeza gera menos resíduos e diminui os custos com armazenamento e tratamento.

Gado saudável e mais produtivo, com economia

Além de atitudes que envolvem diretamente a administração dos recursos hídricos, outras alterações na fazenda ajudam na economia de água. Adotar sistemas de integração lavoura-pecuária-floresta é um exemplo disso.

Com a plantação árvores no pasto, o gado fica menos exposto ao sol e necessita beber menos líquidos. Segundo um estudo realizado pela Embrapa, isso diminui as idas aos bebedouros em 19%. Ainda, quando os animais estão desconfortáveis por causa do calor, eles produzem cortisol, um hormônio que atrapalha seu crescimento. Ou seja, o sistema lavoura-pecuária-floresta gera economia de água e aumenta a produção.

Integração lavoura-pecuária-floresta aumenta a produção e gera economia de recursos hídricos (Fonte: Embrapa/Reprodução)
Integração lavoura-pecuária-floresta aumenta a produção e gera economia de recursos hídricos. (Fonte: Embrapa/Reprodução)

Nas pastagens, é possível adotar a irrigação noturna para economizar recursos hídricos, seja em sistemas de integração, seja em pasto aberto. Isso porque à noite o solo está a uma temperatura mais amena, fazendo com que menos água seja desperdiçada com a evaporação.

Para os pecuaristas que desejam se informar melhor sobre o assunto e adotar essas técnicas em suas propriedades, a Embrapa vai oferecer o curso online “Capacitação em manejo da água e eficiência hídrica na produção animal”. O evento acontecerá no dia 21 de outubro, e as inscrições já estão abertas no site da instituição.

Quer saber mais sobre técnicas de manejo para economia de água? Inscreva-se no Summit Agro, evento que reúne os maiores especialistas em agronegócio do País.

Fonte: Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

Gostou? Compartilhe!