Presença feminina no agronegócio aumenta, mas ainda faltam engenheiras

Engenheiras agrônomas ainda correspondem a menos de 20% dos registros no sistema Confea-Crea

Presença feminina no agronegócio aumenta, mas ainda faltam engenheiras
04/05/2020 • 3 min. de leitura

No agronegócio, a diferença entre os gêneros é explicitada pelos dados: mesmo que as mulheres sejam maioria na população brasileira (51,7%, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua de 2018), elas ainda correspondem a apenas 19% dos produtores rurais, de acordo com os dados mais recentes do Censo Agropecuário do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). São cerca de 947 mil mulheres que trabalham como produtoras, e as engenheiras agrônomas seguem o mesmo caminho, sendo apenas 20% do total de graduados nessa função.

Mulheres são cerca de 19% dos produtores rurais brasileiros
Mulheres são cerca de 19% dos produtores rurais brasileiros. (Fonte: Fábio Ferreira/IBGE)

O número de produtoras, no entanto, representa aumento sensível em relação ao Censo de 2006, que demonstrava apenas 13% de participação feminina na produção agropecuária brasileira. Outras fontes, como o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Universidade de São Paulo (USP), também indicam aumento da presença delas: enquanto o número de homens atuando no agronegócio se manteve estável entre 2018 e 2019 (aumento de apenas 0,25%), o de mulheres empregadas no setor aumentou 2,02%.

Engenheiras agrônomas são menos de 20% do total

Em alguns setores do agronegócio, como hortifruti, elas conseguem participação maior: são 50% dos produtores de uvas, por exemplo; em outros, como na engenharia agronômica, sua participação é menor. Segundo dados do sistema Confea-Crea divulgados pela Agência Brasil, dos 173.907 registros em todo o País, há apenas 34.774 engenheiras agrônomas — a proporção de mulheres é de apenas 19,9%.

"Nesse contexto, todo [o agronegócio] é um ambiente muito masculino. São muitos homens e pouquíssimas mulheres. O que eu percebo é que existe uma resistência quanto à nossa capacidade de dar conta do trabalho. Mas existem engenheiras agrônomas com perfil com essa capacidade e que dão conta do trabalho", compartilha a engenheira agrônoma Vanessa Sabioni em relato em uma rede social.

Mesmo que os homens ainda sejam maioria, as mulheres estão conquistando posições cada vez mais importantes no agronegócio. É o caso de Teresa Vendramini, primeira mulher eleita para presidir a Sociedade Rural Brasileira (SRB) em cerca de um século de existência da entidade. O próprio Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento teve mulheres em posições de destaque na última década: Kátia Abreu, na presidência de Dilma Rousseff, e Tereza Cristina, atual gestora da pasta. O Congresso Nacional das Mulheres no Agronegócio está indo para sua quinta edição, reunindo mais de  dois mil participantes.

Teresa
Teresa "Teka" Vendramini é a primeira mulher a presidir a SRB. (Fonte: SRB/Divulgação)

Um problema geral da engenharia, não apenas no agronegócio

A pouca presença de engenheiras agrônomas no Brasil pode ser explicada pela pouca presença feminina na área tecnológica em geral — a mesma questão é observada em outras engenharias, como civil, elétrica ou mecânica. Embora a participação feminina em todos esses setores tenha aumentado nas últimas décadas, "ainda há aquele estigma de que é uma área masculina", afirmou a diretora da Escola Politécnica da USP, Liedi Bernucci.

Algumas iniciativas buscam desconstruir esse pensamento, como a campanha #EsseLugarTambémÉMeu, lançada em 2019 pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com o objetivo de aumentar as matrículas de mulheres na área. O sistema Confea-Crea também criou o Programa Mulher, para aumentar a presença feminina na entidade.

Se interessou pelo assunto? Aprenda mais com especialistas da área no Summit Agro. Enquanto isso, acompanhe as notícias mais relevantes do setor pelo blog. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fonte: Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada - Esalq/USP (Cepea), Agência Brasil, Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (CONFEA), Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).