Conheça o evento

PIB do agronegócio brasileiro cresceu 3,18% em 2019

Após o baixo crescimento do setor em 2018, provocado pela greve dos caminhoneiros, setor retoma a sua força e contribui com 21,4% do PIB nacional

PIB do agronegócio brasileiro cresceu 3,18% em 2019
26/03/2020 • 3 min. de leitura

O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro registrou uma alta de 3,18% em 2019 com relação ao ano anterior — de acordo com cálculos do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) em parceria com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e a Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz (Esalq).

O desempenho do agronegócio foi importante para a economia brasileira e representou 21,4% do PIB brasileiro total em 2019. O resultado foi impulsionado pela pecuária enquanto o ramo agrícola recuou.

O setor pecuário foi puxado pelo bom desempenho das exportações, já que a demanda interna não atendeu às expectativas do mercado. A elevação de preços internacionais e o aumento do volume da carne brasileira exportada fizeram o setor registrar uma alta de 23,71% em relação ao ano anterior. Segundo o Cepea, os volumes exportados de carne suína, bovina e de aves aumentaram 16%, 15% e 4% respectivamente; e os preços em dólares cresceram 13,6%, 5% e 3,7%.

O ramo agrícola retraiu em 3,46%, influenciado pela queda de 13,95% do PIB do segmento primário. Esta não representa um desempenho pouco satisfatório dos produtores em termos de volume — uma vez que a produção aumentou frente a 2018, em especial as safras volumosas de algodão, banana, cana-de-açúcar, laranja e milho —, do crescimento de insumos e da agroindústria. A retração ocorreu por causa do aumento do custo de produção e devido à redução de preços de produtos, como algodão, café, mandioca e soja.

Insumos agrícolas e pecuários

(Fonte: Shutterstock)
(Fonte: Shutterstock)

O PIB de insumos do agronegócio cresceu 5,54% em 2019, com altas para os insumos agrícolas (6,02%) e pecuários (4,55%). Com exceção da indústria de máquinas agrícolas, que teve retração de 9,84% no faturamento, todas as demais cresceram no ano.

O destaque no setor foi para o crescimento da indústria de defensivos agrícolas, que teve um aumento de 23,74% em comparação a 2018, como resultado da ampliação da área produzida e do recorde de registro de novos produtos. Outros fatores que colaboraram para o crescimento foi a redução de oferta de defensivos da China e a alta de preços, principalmente em função da valorização do dólar frente ao real.

Resultados do setor primário

O segmento primário do agronegócio teve retração do PIB em 3,03%, apesar da alta excepcional do setor primário pecuário, que foi de 20,44%, a maior desde 2013. O resultado negativo foi influenciado pela forte queda do setor primário agrícola. A média ponderada das diversas atividades agrícolas acompanhadas teve um aumento de produção em 2019 de 1,89%, registrando o terceiro ano consecutivo em alta, enquanto os preços médios recuaram 1,52%.

Agroindústria acelera em 2019

(Fonte: Shutterstock)
(Fonte: Shutterstock)

A agroindústria teve um crescimento de 4,99% em 2019, após de registrar 0,75% em 2018. O principal impulso do setor veio da indústria de base pecuária, que cresceu 22,89% no ano. O destaque da área foi a indústria de abate e preparação de carnes e pescados, a qual registrou aumento de 14,66%. O setor de pecuária, conforme o Cepea, ocupou o segundo lugar em termos de participação na pauta de exportações do agronegócio brasileiro em 2019 e representou 17% do total comercializado. O principal destino das carnes brasileiras foi a China, a qual ficou com 39% da carne suína, 35% da bovina e 16% de aves.

A indústria de base agrícola também cresceu, porém mais modestamente, registrando 0,72%. O setor de vegetais em conserva teve destaque com crescimento de 30,3% na produção e 27,1% no faturamento; enquanto o café, apesar do aumento de 1,6% na produção, registrou queda de 11% no resultado por causa da retração dos preços do grão em 12,4%.

PIB de agrosserviços

O PIB dos agrosserviços cresceu 6,77% em 2019, puxados pela forte alta de 28,9% nos serviços pecuários. A volumosa produção e os altos preços do setor estimularam a demanda de serviços de transporte, comercialização, armazenagem, entre outros. No setor agrícola, entretanto, o PIB de serviços diminuiu em 2,06%. O segmento de serviços da agricultura foi pressionado principalmente pelos menores preços médios de produtos agrícolas primários e industriais em 2019.

Se interessou pelo assunto? Aprenda mais com especialistas da área no Summit Agro. Enquanto isso, acompanhe as notícias mais relevantes do setor pelo blog. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fonte: CNA, Supero