Produção de laranja 2020/2021 sofre maior quebra de safra da história

22 de janeiro de 2021 3 mins. de leitura
Após estiagem afetar Sul e Sudeste em 2020, produtores de laranja observaram queda produtiva e recorde negativo

Notícias do campo

O clima adverso que atingiu o Brasil em 2020 se tornou um verdadeiro pesadelo para os produtores de laranja do cinturão citrícola (São Paulo e Triângulo Mineiro) na safra de 2020/2021. Segundo dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), a estiagem que assolou o Sul e o Sudeste no ano passado foi responsável por causar a maior quebra produtiva na história do setor.

Com a menor produção de laranjas, a citricultura paulista registrou preços elevados durante 2020, mas a constante demanda da indústria pela matéria-prima conseguiu sustentar os valores para o restante do ano, iniciando 2021 com custo de R$ 25,63 pela caixa de 40,8 quilos.

Quebra de produção 

Estiagem e favorecimento de vendas para a indústria aumentaram preço da laranja no mercado de mesa. (Fonte: Shutterstock)
Estiagem e favorecimento de vendas para a indústria aumentaram preço da laranja no mercado de mesa. (Fonte: Shutterstock)

Conforme o relatório produzido pelo Fundo de Defesa da Citricultura (Fundecitrus), a quebra de safra de 2020/2021 é a maior registrada em termos percentuais desde 1988/1989. No total, a associação estima que a queda de produção deve atingir 30% nesta temporada, somando 269,36 milhões de caixas de 40,8 quilos.

A crescente demanda industrial, em contrapartida, foi responsável por diminuir a disponibilidade da fruta no mercado de mesa. Segundo o Cepea, diversos produtores preferiram direcionar seus produtos para a indústria pelo medo das incertezas econômicas geradas pela pandemia e por causa dos preços atrativos.

Na visão dos especialistas, a pandemia somada à estiagem foi responsável por impulsionar as cotações da laranja para os consumidores brasileiros em 2020, os quais viram o preço da fruta aumentar nos supermercados. 

Exportações de laranja

Aumento do consumo de suco de laranja durante pandemia deve enxugar estoques em 2021. (Fonte: Shutterstock)
Aumento do consumo de suco de laranja durante a pandemia deve enxugar estoques em 2021. (Fonte: Shutterstock)

Apesar de manterem um bom cenário em comparação com o aumento de preços no mercado interno, as exportações de laranja devem sentir o impacto da quebra produtiva nos próximos meses. Após registrar crescimento de 16% nas vendas totais de suco de laranja na safra 2019/2020, a análise feita pelo Itaú BBA prevê que as vendas externas serão comprometidas.

Para o consultor de agronegócios Cesar de Castro Alves, a queda produtiva já era esperada desde o ano passado e deve ser bem administrada caso as condições climáticas não interfiram mais uma vez. Segundo ele, a percepção sobre o aumento do consumo de suco de laranja durante a pandemia deve fazer com que os estoques globais do fruto diminuam e causar grande impacto no segundo semestre do ano.

Para o Fundecitrus, a situação só não foi mais agravante no Brasil porque 60% das laranjeiras produtivas ficaram menos expostas à seca por causa da colheita antes da pior fase da estiagem ou por estarem em pomares irrigados.

Já conhece o Estadão Summit Agro? Saiba o que rolou na última edição do evento

Fonte: Brasil Agro, Destaque Rural, Fundicitrus.

O que achou?
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0

Canal Agro