Pecuária na Amazônia: os desafios da atividade na região

7 de outubro de 2020 3 mins. de leitura
Apontada como principal causa para desmatamento e queimadas em florestas, pecuária tenta se reinventar

Quer impulsionar seus negócios? Se inscreva no Summit Agronegócio, evento que reúne os maiores especialistas em agro do País.

***

Por muito tempo, a atividade pecuária foi considerada a maior responsável pelos problemas ambientais na Amazônia. Um levantamento feito pelo Museu Paraense Emílio Goeldi, em Belém (PA), indica que 80% do desmatamento na região ocorrem em decorrência da produção de gado. Em diversas ocasiões, os produtores rurais ateiam fogo em terras verdes com o objetivo de limpar o terreno para o cultivo agrícola ou abrir espaço para abrigar os animais.

O que tem sido feito para transformar o panorama da destruição ambiental durante a última década? A incrementação de vertentes sustentáveis no agronegócio e a criação de medidas legislativas que protejam o meio ambiente se tornaram fatores essenciais para o setor.

Pecuária profissionalizada em construção

Início da atividade pecuária na Amazônia ocorreu por volta de 1600. (Fonte: Shutterstock)
Início da atividade pecuária na Amazônia ocorreu por volta de 1600. (Fonte: Shutterstock)

São mais de 400 anos de história que reproduzem a trajetória da agropecuária na Amazônia. Segundo estudo feito pela Embrapa Amazônia Oriental na publicação Histórico e desafios da pecuária bovina na Amazônia, a atividade teve início em meados dos anos 1600 e ultrapassou quatro fases que vão da ineficiência do setor até sua profissionalização. O documento indica que, no momento, estaríamos presenciando o estágio final desse processo, em que os produtores conseguem atingir maior grau de produtividade e eficiência enquanto equilibram as práticas com soluções sustentáveis.

Pesquisadores ressaltam que a adição de novas tecnologias e o fornecimento de auxílio técnico pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) podem fazer com que a prática pecuária diminua a área de pastagem sem perder qualquer recurso econômico. A profissionalização do setor na Amazônia possibilitaria a manutenção de uma coerência ambiental, social e de bem-estar animal sem que nenhuma das partes saísse prejudicada.

Poder público e regulamentação de propriedades

Apoio do poder público pode ser essencial para reduzir taxas de desmatamento e queimadas na Amazônia. (Fonte: Shutterstock)
Apoio do poder público pode ser essencial para reduzir taxas de desmatamento e queimadas na Amazônia. (Fonte: Shutterstock)

Um dos exemplos da participação do poder público na transformação da pecuária amazônica é o programa Terra Legal Amazônia, criado em 2009 com o objetivo de regularizar e distribuir terras agrícolas para órgãos, estados e municípios. Essa medida atua diretamente na gestão territorial, e para conseguir o subsídio do governo federal o produtor se compromete a cumprir os requisitos legais de manutenção da área de preservação ambiental, com a recomposição das reservas legais se tornando uma responsabilidade do pecuarista.

Quer saber mais sobre pecuária sustentável? Inscreva-se no Summit Agro, evento que reúne os maiores especialistas em agronegócio do País.

Fonte: Governo de Rondônia, Embrapa, Brasil De Fato, WWF, Scielo e Amazônia.org.

Gostou? Compartilhe!