Gestão do solo pode impulsionar sustentabilidade no agronegócio

14 de junho de 2021 4 mins. de leitura
Programa coordenado pelo Mapa pretende conhecer minuciosamente o solo de 97% do território nacional até 2048

Conheça o mais relevante evento sobre agronegócio do País

Um projeto coordenado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) pretende mapear, minuciosamente, 97% do solo nacional. A iniciativa deverá ser um instrumento facilitador da gestão desse recurso no agronegócio.

De acordo com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), o Brasil tem apenas 5% de sua área com mapeamento do solo em escalas adequadas, o que dificulta ações direcionadas à sustentabilidade.

O Programa Nacional de Levantamento e Interpretação de Solos no Brasil (PronaSolos) pretende mapear e analisar 1,3 milhão de quilômetros quadrados do País nos próximos 10 anos, cerca de 15% de todo o território nacional, e mais 6,9 milhões de km² até 2048. Para tanto, o programa prevê a realização de parcerias no modelo público-privado.

O Brasil utiliza 7,3% do território nacional para a agricultura. No entanto, o País tem potencial para ocupar até 17,9%, sem precisar desmatar para ocupar novos espaços. O agronegócio pode aumentar a sua produção apenas recuperando as áreas degradadas ou intensificando o cultivo das lavouras já implantadas.

Mapeamento do solo nacional

Plantio direto ajuda a conservar a qualidade da terra. (Fonte: Shutterstock/Helga_foto/Reprodução)
Plantio direto ajuda a conservar a qualidade da terra. (Fonte: Shutterstock/Helga_foto/Reprodução)

O mapeamento permitirá planejar o melhor uso das terras nas propriedades rurais. A gestão do solo possibilita um manejo mais adequado das lavouras, por exemplo com o uso otimizado de fertilizantes e o estabelecimento de práticas que reduzem a erosão, contribuindo para a sustentabilidade no agronegócio.

Além disso, o PronaSolos permitirá criar mecanismos mais precisos para avaliação das terras e apoiar a concessão de crédito agrícola, reduzindo riscos para agricultores e financiadores. Além disso, ajudará na expansão urbana, reduzindo a sedimentação dos rios, as enchentes e os desastres naturais.

Leia também:

Erosão: entenda como combater essa ameaça ao solo e à produção agrícola

Dres: importância do método de diagnóstico rápido do solo

Tecnologia no campo: aplicativo faz classificação do solo em tempo real

Desde dezembro, o projeto oferece um sistema de informações geográficas com mapas e dados produzidos nos últimos 60 anos por diversas instituições. Esse vasto acervo dos solos brasileiros inclui mapeamentos inéditos, como os nacionais de suscetibilidade e vulnerabilidade dos solos brasileiros à erosão hídrica. 

Os mapeamentos podem subsidiar a seleção de áreas para ações de conservação e recuperação, tanto pelo poder público quanto pelo poder privado. Assim, os próximos mapas a serem lançados tratarão da condutividade elétrica do solo e do estoque de carbono. As informações serão importantes para os setores de telecomunicações e de transmissão de energia, as finanças verdes e as boas práticas ambientais, sociais e de governança.

Por que fazer a gestão do solo?

Quanto menos o solo for manipulado, maior será a garantia de qualidade da terra. (Fonte: Shutterstock/Mishadp/Reprodução)
Quanto menos o solo for manipulado, maior será a garantia de qualidade da terra. (Fonte: Shutterstock/Mishadp/Reprodução)

Para garantir a qualidade das áreas agricultáveis, a Embrapa recomenda utilizar a rotação de culturas, o uso de cobertura permanente e de plantas com raízes profundas. 

O agricultor deve ser orientado por um engenheiro-agrônomo para aplicar técnicas no plantio, como aração, adubação, irrigação e drenagem. O profissional garantirá que sejam respeitadas as características do terreno e as da espécie que será plantada.

Quando o conjunto de práticas agrícolas são mal aplicadas podem desenvolver um solo suscetível à erosão, à desnutrição e até ao processo de desertificação. Além disso, o abuso na aplicação de fertilizantes e defensivos agrícolas pode tornar as terras inférteis para o cultivo, o que dificulta o financiamento desses locais para a agricultura. Afinal, para conseguir crédito agrícola e seguro safra, o agricultor deve apresentar a análise do solo, e esse documento possibilita a avaliação dos riscos do negócio.

Não perca nenhum fato que acontece no agronegócio. Inscreva-se em nossa newsletter.

Este conteúdo foi útil para você?

149570cookie-checkGestão do solo pode impulsionar sustentabilidade no agronegócio

Canal Agro