Foco em exportação de grãos aumenta preço de alimentos no Brasil

25 de setembro de 2020 3 mins. de leitura
Mesmo com safra recorde de grãos, preços de produtos como o arroz explodiram por conta da alta do dólar e da ausência de estoques obrigatórios

Quer impulsionar seus negócios? Se inscreva no Summit Agronegócio, evento que reúne os maiores especialistas em agro do País.

***

A safra 2019/20 deve registrar o recorde de 257,8 milhões de toneladas de grãos, de acordo com levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Mesmo com a marca histórica, o preço de alimentos, como o arroz, vem subindo de forma rápida no Brasil.

Isso é causado pela desvalorização do real frente ao dólar, que torna o mercado externo mais atrativo do que o interno para os produtores e encara a importação de insumos. Além disso, a ausência de uma regulação de preços por meio de estoques obrigatórios fez com que o desequilíbrio no valor de mercado fosse ainda maior.

Outros fatores também são apontados como influenciadores na alta de preços, por exemplo a mudança de hábito de consumo dos brasileiros por conta da pandemia e a injeção na economia mais de R$ 154 bilhões.

Aumento das exportações

China aumentou o apetite pela compra de alimentos brasileiros durante a pandemia. (Fonte: Shutterstock)
China aumentou o apetite pela compra de alimentos brasileiros durante a pandemia. (Fonte: Shutterstock)

As exportações do agronegócio em julho representaram 51,2% no valor total exportado pelo Brasil. O setor vendeu US$ 10 bilhões no mês, o que representa uma alta de 11,7% em relação ao valor exportado em julho de 2019, segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Em 2019, os produtos agropecuários representavam 43% do total de exportações.

Se, de um lado, os países estão aumentando seus estoques por conta da pandemia causada pelo coronavírus; do outro, a valorização do dólar frente ao real incentiva os produtores a comercializar os alimentos no mercado externo.

As vendas para a China atingiram US$ 3,85 bilhões em julho, um aumento de 34% em comparação com o mesmo mês em 2018. Em maio, para se ter uma ideia, somente o mercado chinês comprou mais de 50% de toda a carne bovina produzida no Brasil, de acordo com a Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafigo) — item que teve aumento de 23,39% no preço médio se comparado ao período de janeiro a julho de 2019.

Reduções dos estoques obrigatórios

Diminuição gradual do estoque regulatório impacta no preço de grãos. (Fonte: Pixabay)
Diminuição gradual do estoque regulatório impacta no preço de grãos. (Fonte: Pixabay)

Os estoques regulatórios têm como objetivo regular o mercado interno, garantindo preço e a renda do produtor, atenuando as oscilações de preço ao comercializar alimentos na entressafra. Entretanto, essa política vem sendo reduzida desde 2016.

Em dezembro de 2015, o estoque de arroz, por exemplo, estava em 115 mil toneladas, de acordo com a Conab. No ano seguinte, esse número despencou para 88 toneladas. Em agosto de 2020, o estoque regulatório de arroz ficou apenas em 21,5 toneladas.

Outros produtos também tiveram seus estoques reduzidos, como mandioca, açúcar e café. No caso deste último, o estoque que chegou a alcançar 94 mil toneladas em dezembro de 2015 ficou em 31 toneladas em agosto de 2020. O estoque de açúcar, que era de 873 toneladas no final de 2013 ficou zerado a partir de 2017.

Quer ficar por dentro das novidades do agro? O Summit Agronegócio reúne especialistas e autoridades para discutir os temas mais relevantes do setor, como sustentabilidade, fruticultura, seguros, SIF, agroquímicos e abastecimento. Faça parte da evolução do agro e participe do evento mais completo do setor. Para saber mais, é só clicar aqui!

Fonte: Companhia Nacional de Abastecimento, Senado Federal, Agência Brasil e Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Gostou? Compartilhe!